As incoerências como perda de tempo e de vida

Em nossa caminhada pela vida a demanda de exigências pela sociedade para a aceitação e inclusão de cada um é alta e, muitas pessoas são catapultadas pelo receio que as atribulam às incoerências para agradar aos outros, sustentando uma aparência para impressionar fazendo-se necessária a realização de cada uma das “diligências” da lista.

Incoerência é algo maquiado, pois não é genuíno.

Uma hora a pessoa afirma em outra nega.

Diz que ama e preza a liberdade, mas é um tirano e oprime todos ao redor. Diz que ama o filho com amor incondicional, mas o trata com indiferença. Diz que é necessário amar ao próximo, mas odeia e expõe seus desafetos.

Agindo assim a pessoa se torna um irracional e progressivamente vai se tornando um hipócrita quando já não mais admite suas incoerências.

A incoerência e contradições tomam espaço quando agimos para “aparentar” uma imagem que está em dissonância com o que nosso ser, alma e coração admitem. As máscaras não permitem verdadeiramente a espontaneidade e sinceridade. Então, é retirada da pessoa a autonomia de ser ela mesma; e ela sempre estará representando uma personagem, falando e se comportando do avesso.

O ser incoerente faz dele um “deus” ao qual ele serve como sendo uma projeção dele mesmo e essa realidade é deprimente quando a consciência grita a todo instante que está presa, que não é real e que não tem permissão de ser ela mesma. Desta maneira as incoerências servem apenas como espelho para refletir uma imagem e distorcer a essência.

A atitude de cada um é seu legado particular e isso mostra a persona de cada ser.

A diversidade de ações mostra quem somos no íntimo, e ninguém, por mais habilidoso e manipulador que seja, consegue esconder sempre o que a alma libera das tendências inatas. E a diversidade de nossas reações, que são próprias da liberdade humana exercida sob o domínio do egoísmo, não hesita em destruir, usar e abusar, para satisfazer seus mais mesquinhos caprichos, desejos e medos.

O despertar e o amadurecimento de nossa consciência se dá quando assumimos as incoerências e começamos a agir da forma que nossas atitudes tenham respaldo aceitável. É de suma importância fugir da demagogia e das desconexões, que nos fazem perder tempo e espaços preciosos de onde poderiam nascer bons frutos quando plantados, cultivados e sempre regados com a verdade.

Gente boa, obrigada por reservar seu tempo para a leitura desse texto. Até a próxima segunda-feira à tarde.

Deniza L. Zucchetti é escritora nas horas vagas e mãe em período integral.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook