8º Encontro de Palhaços e Circo acontece no mês de junho

A exaltação da cultura popular e a aproximação da arte circense e todo seu universo lúdico com o povo. Esta tem sido a proposta do “Encontro de Palhaços e Circo de Anápolis” que chega à sua oitava edição, reforçando o compromisso social da arte em levar artistas e oficinas de circo até os bairros – este ano os eventos serão feitos dentro das escolas da rede municipal e estadual – e, ainda, reunir as pessoas em torno da mágica milenar do circo.

Israel Stalin, organizador do evento desde a sua primeira edição, aposta no caráter social do encontro, principalmente através do compromisso com a reinserção do dinheiro público no incentivo à arte. “Como usamos dinheiro do fundo estadual de cultura, esta é uma forma genuína de usar o dinheiro do povo para devolvê-lo ao povo sob a forma de eventos culturais que reforçam nossas características”, comemora.

Stalin, que dá vida ao Palhaço Siriguela, evidencia o Circo como uma das formas mais populares e democráticas de cultura. “Esta arte atende a todas as faixas etárias e tem este poder de unir pessoas. Quando vamos ao bairro, reunimos pais e filhos nas nossas oficinas de perna de pau. E com isto resgatamos brincadeiras lúdicas e unimos ainda mais as famílias e as pessoas”, explica.

Popular

E, de fato, a inovação desta edição é a ampliação das atrações, das oficinas e, principalmente, da manutenção do aspecto descentralizado da programação. “Queremos literalmente levar a arte até o povo. Nós vamos aos bairros com todas as nossas atrações para mostrar que nosso trabalho não difere cores, raças, crenças ou condições econômicas, afinal, isto é o circo”, destaca Stalin.

As atrações já confirmadas para esta edição reúnem alguns nomes que são destaques nacionais e internacionais no mundo circense. Nomes como a Companhia Carroça de Mamulengos, que há 38 anos faz apresentações viajando pelo Brasil, se unem a grupos de São Paulo e do Rio de Janeiro que passarão cinco dias em Anápolis respirando o circo.

“Reservamos uma chácara na cidade que pertenceu à Família Temperani, precursores do circo e criadores do número do ‘Homem Bala’ e todos ficaremos neste período reunidos por lá. É uma forma de trocar experiências e aproximar os grupos”, comemora o organizador. Outra característica possível somente em Anápolis é quanto à sua localização geográfica. “Por estarmos entre as duas capitais, Goiânia e Brasília, conseguiremos reunir o que há de melhor nas duas praças aqui na cidade”, destaca.

Arraiá

Com agenda definida entre os dias 08 a 12 de junho, a programação passará por bairros como Filostro Machado, Boa Vista, Jundiaí e Centro, onde haverá também as “palhaceatas”. O encontro irá se encerrar com a celebração de uma “arraiá”. “Vamos aproveitar as festividades juninas, para fazer o Arraiá de Circo, que é a época da fartura, da alegria. Vamos ter grupos de forró, numa festa típica numa chácara próxima da cidade”, anuncia Stalin Siriguela.
“Como também será dia 12, véspera de Santo Antônio e Dia dos Namorados, faremos uma noite especial para os namorados. E para quem não tem, por que não usar a mágica do circo e toda a sua alegria para encontrar alguém”, brinca Israel Stalin, que promete brincadeiras especiais para aproximar as pessoas. “O circo é, acima de tudo, Amor”, finaliza.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook

Rápidas

Danilo Boaventura

Danilo Boaventura

É a seção que publica informações exclusivas, de bastidores sobre o que for relevante em Anápolis e Goiás

Dinheiro Nosso

Rodolfo Torres

Rodolfo Torres

É a seção que publica informações exclusivas, de economia sobre o que for relevante em Anápolis e Goiás