União Europeia propõe pagar 10 mil euros por refugiado realocado

A Comissão Europeia propôs na quarta-feira (13) que seus Estados-Membros recebam 10 mil euros (cerca de R$ 36 mil) para cada solicitante de refúgio acolhido no âmbito do sistema de redistribuição de imigrantes, adotado pelo bloco no ano passado.

A ideia foi apresentada pelo comissário europeu para Migração, Assuntos Internos e Cidadania, Dimitris Avramopoulos, que também defendeu que cada país decida quantas pessoas poderá abrigar anualmente. “É uma janela genuína para fechar a porta às entradas irregulares”, afirmou o grego.

Aprovado em setembro de 2015, o plano da União Europeia para lidar com a crise migratória prevê a realocação de 160 mil solicitantes de refúgio até o mesmo mês de 2017. No entanto, até maio passado, apenas 1,5 mil haviam sido redistribuídos.

Acordo

Essa política tem como objetivo dividir por toda a UE o peso do primeiro acolhimento a imigrantes que entram ilegalmente nas fronteiras europeias, hoje concentrado na Grécia e na Itália, que estão relativamente perto da Turquia e da África, respectivamente.

Contudo, o acordo enfrenta forte oposição do grupo Viségrad, formado por Eslováquia, Hungria, Polônia e República Tcheca, que são contra a obrigação de receber solicitantes de refúgio abrigados em outros países. Por conta disso, Bruxelas também estuda criar um sistema único de asilo, com procedimentos, critérios e padrões iguais em todos os seus Estados-Membros.

Isso evitaria que imigrantes pudessem escolher de que país querem receber proteção – muitos entram na Europa pela Itália e Grécia, mas se recusam a ser registrados nesses países para solicitar refúgio em Estados mais ricos, como a Alemanha.

Naufrágio

Enquanto a UE não encontra a melhor forma de combater a crise migratória, as tragédias continuam. Nesta quarta-feira, um naufrágio no litoral da ilha grega de Lesbos deixou quatro pessoas mortas, incluindo duas crianças – um menino e uma menina. O barco era proveniente da Turquia.

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 2,9 mil indivíduos já morreram em 2016 tentando entrar ilegalmente na Europa pelo mar.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook

Rápidas

Danilo Boaventura

Danilo Boaventura

É a seção que publica informações exclusivas, de bastidores sobre o que for relevante em Anápolis e Goiás

Dinheiro Nosso

Rodolfo Torres

Rodolfo Torres

É a seção que publica informações exclusivas, de economia sobre o que for relevante em Anápolis e Goiás

Deniza Zucchetti

Deniza Zucchetti

É professora por vocação, quase RI, escritora por amor nas horas vagas e mãe em período integral

Bruno Rodrigues Ferreira

Bruno Rodrigues Ferreira

É jornalista, psicólogo e especialista em Tecnologia e Educação e Gestão em Saúde