“Prazer, eu sou o Wilsinho”, o marqueteiro que derrotou o PT em Anápolis

O início de novembro de 2015 era angustiante para todos os frequentadores da Praça dos Três Poderes, em Brasília. Duas personagens, Dilma Rousseff e Eduardo Cunha, eram diariamente metralhados pela imprensa. A ex-presidente via o segundo mandato paralisado e não conseguia aprovar nada no Congresso. O ex-deputado do PMDB já havia deixado no cofre da Câmara a autorização para a abertura do processo impeachment. Era o prenúncio do fim da era petista na Presidência da República.

“Mas não aqui em Anápolis. Aqui o PT está em sua melhor fase”, gabava-se um cardeal do partido em Goiás e auxiliar importante da administração de João Gomes, o vice que virou prefeito assim que o popular Antônio Gomide deixou a Prefeitura de Anápolis para se arriscar e perder a disputa ao Governo de Goiás, em 2014. “O Gomide saiu, mas a administração continua funcionando como se fosse ele aqui”, emendava de maneira taxativa.

Passado um ano muita coisa aconteceu. Dilma e Eduardo Cunha caíram, o Brasil e a Câmara dos Deputados tem novos presidentes. E Anápolis um novo prefeito, eleito no último dia 30 de outubro após um disputa ferrenha em que o PT, de mãos dadas com o PMDB, de tudo fez para se manter poder local.

“Não fossem os problemas com o PT eu ganharia com folga”, lamentou João Gomes à reportagem do Estadão horas depois do resultado ser divulgado.

“Ganhamos não apenas do prefeito João Gomes, mas também de Antônio Gomide e toda a máquina do PT”, lembrou Roberto Naves, o Roberto do Órion, a novidade da eleição.

EU SOU ROBERTO, EU SOU O NOVO

25 de agosto. Uma frase arrematava o primeiro programa eleitoral de TV do empresário e professor Roberto Naves, candidato do PTB e de mais nove legendas à Prefeitura de Anápolis: “Muito prazer, eu sou Roberto, eu sou o novo”.

No QG de todos os outros concorrentes, que viam Roberto de cima das pesquisas, a troça era geral. Menos de 1% o petebista tinha naquele mesmo dia nas intenções de voto do Serpes/O Popular. As equipes de marketing dos concorrentes achavam ridículo dizer aquilo. Mas a população gostou. Na pesquisa seguinte do mesmo instituto Roberto saltava para 6%. A reação dos adversários era de pragmatismo. “O conceito pegou”, reconheciam.

Daí em diante, as intenções de voto de Roberto ‘do Órion’ aumentavam proeminentemente. Passaram a crescer também os ataques, que viam de todos os lados. O resultado do primeiro turno, porém, foi uma surpresa para todos. João Gomes, que nutria a expectativa de vencer ainda naquela volta, teve menos de 30% e ficou apenas oito pontos na frente do “novo”. Era menos que a avaliação de seu próprio governo, estimada dois dias antes em mais de 40%.

No segundo turno, todos os adversários correram para o lado de Roberto – e o PT para o ataque. As pesquisas mostravam o candidato do PTB com vantagem de até 15 pontos. Começava um movimento petista de desconstrução da imagem de Roberto, que rememorava o bombardeio sofrido por Marina Silva em 2014. No abrir das urnas a ampla vantagem foi reduzida para menos de três pontos.

Embora a artilharia petista de todo não tenha sido inócua, o resultado do processo eleitoral na cidade foi sintomático. Anápolis também não queria mais o PT. 30 de outubro.

PRAZER, EU SOU O WILSINHO

“Por trás de um candidato sempre há alguém que desenha uma estratégia, prepara os discursos, orienta a propaganda. Ninguém ganha eleição sem isso”, diz Jaime Durán Barba, um senhor de mais de 60 anos  e arquiteto da vitória de Maurício Macri para presidente da Argentina, em 2015.  No caso de Roberto Naves, esteve um homem de 40 anos, pai de três filhos e com um currículo nada modesto. Wilson Rodrigues, o ‘Wilsinho’,  já comandou campanhas de senador, governador de estado e prefeito de capital Brasil afora. Venceu a maioria delas. O dono do Colégio Órion ele conheceu antes da pré-campanha e acertou com ele uma parceria de sucesso, que só terminou com a entrevista coletiva no dia da vitória.

Wilson Rodrigues, 40 anos, marqueteiro de Roberto Naves (Foto: Arquivo Pessoal)
Wilson Rodrigues, 40 anos, marqueteiro de Roberto Naves (Foto: Arquivo Pessoal)

Wilsinho é avesso à entrevistas, mas topou falar à reportagem do Portal 6. “Eu prefiro o bastidor”, confessa.

Dos 20 anos em que participa de campanhas políticas (dez deles como consultor e estrategista), Wilsinho acha arriscado fazer prognósticos sobre o cenário nacional, mas acredita que Geraldo Alckmin e Ciro Gomes protagonizarão a disputa pela Presidência em 2018. “Quem se prepara leva vantagem. Agora, ainda existe muita água para passar debaixo dessa ponte”, sentencia.

Porque o PT perdeu a eleição? 

Porque o eleitor decidiu que era hora de mudança. Porque o Roberto apresentou uma proposta mais realista e moderna para a população. Porque o anapolino considerou que a alternância de poder é uma coisa benéfica para a população. É possível encontrar uma série de justificativas que se complementam.

Surpresa no primeiro turno

Avançar ao segundo turno foi uma coisa que, de certa forma, surpreendeu a todos nós. Porque sabíamos da qualidade do candidato, conhecíamos as propostas, tínhamos um grande número de candidatos a vereador engajados na eleição mas quando alguém que nunca disputou uma eleição consegue vencer políticos respeitados e tradicionais é sempre uma boa surpresa.

Pé no chão

Concretamente ninguém sabe no início o que pode acontecer numa eleição. Porque os fatores que influem no resultado dependem de múltiplas possibilidades que nem sempre estão sob o seu controle. Então você faz o planejamento para que isso aconteça, procura aproveitar as melhores oportunidades, se prepara para a vitória. Mas ninguém pode garantir a vitória numa eleição. O marqueteiro que faz isso ou é muito confiante ou é desinformado.

João Gomes

Foi um bom candidato. Tanto que brigou pela vitória até o final.

Roberto Naves

Ele tem todas as características de um ótimo gestor: moderno, ficha limpa, competente, bom de planejamento e execução além de sensível com as questões sociais. Tem tudo para ser o melhor prefeito da história da cidade. Agora é com ele. Vou torcer para o meu amigo. Meu trabalho termina após a apuração dos votos e a coletiva de imprensa.

Nova liderança em Goiás?

Anápolis é uma cidade importantíssima para a política no estado e de relevância para a economia nacional. A vitória do Roberto mostrou que a população da cidade quer mudanças.

Criatividade e estratégia

Todas as pesquisas diziam que o Roberto era um ótimo candidato, tinha as melhores propostas mas não era conhecido pela população. Aí entra aquela questão da criatividade a serviço da estratégia. E ser criativo não é inventar planos mirabolantes é fazer o que precisa ser feito de modo claro e direto. As pessoas precisavam conhecer o Roberto e ninguém melhor que ele para se apresentar, quebrar o gelo com o eleitor.

Pegou fácil porque é verdade. Porque as pessoas sentiram a confiança e a vontade nele de fazer a mudança. Então as pessoas também passaram a ser o Roberto.

Voz de “robô”

O Roberto nunca foi candidato. Mas construiu a sua vida como professor de cursinho. Um professor que dá aulas para 100, 200 alunos por turma, se não emposta a voz não consegue ser ouvido. Então aquele é o Roberto. Não poderíamos mudar isso. Mas também foi uma coisa positiva porque reforçou que ele não é um político tradicional, não tinha os mesmos cacoetes dos outros.

Vitória apertada

A vitória da oposição contra uma candidatura de reeleição é um ponto fora da curva. Então, sinceramente nunca trabalhamos com a possibilidade de uma vitória folgada. Agora, se a proposta da campanha era de mostrar que Anápolis tinha um candidato diferente, não fazia sentido trabalhar com uma campanha igual, com ataques pesados e mentirosos, como fizeram contra nós. A diferença era mostrar propostas porque no final, era isso que as pessoas queriam ver. Isso é o que muda a vida das pessoas. Mas, justiça seja feita, esse direcionamento partiu do candidato. No momento de maior tensão foi ele quem determinou que não faríamos qualquer tipo de ataque.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook

loading...