Em conversa com Roberto, João Gomes diz que também herdou dívida de lixo

Ex-prefeito argumentou que chefiou o Executivo Municipal 'por 33 meses e pagou 36 parcelas' da GC Ambiental

Atualizada em 16/01

A assessoria de imprensa do vereador e ex-prefeito Antônio Gomide entrou em contato com a reportagem do Portal 6 chamando a atenção para os detalhes do contrato sobre o qual a GC Ambiental pede o pagamento da dívida milionária acumulada. 

Com o número 264/2014, mostra o Diário Oficial do Município que o documento foi assinado no dia 13 de outubro de 2014, seis meses após Gomide deixar a Prefeitura de Anápolis. Naquele momento, o ex-prefeito fazia campanha na disputa pelo Governo de Goiás. 

_________________________________________________________________________

Os quase R$ 24 milhões de dívidas com a GC Ambiental, empresa de coleta de lixo e varreção de rua em Anápolis, tem outro ator responsável. É o que disse o ex-prefeito João Gomes (PT) em conversa com o atual Roberto Naves na manhã desta sexta-feria (06).

Horas depois, em visita a Secretaria Municipal de Educação,  Roberto ressaltou à jornalistas locais que tem um boa relação com o antecessor e só o chamou ao seu gabinete para esclarecer a dívida milionária que recebeu. Segundo o prefeito, João argumentou que “ficou prefeito por 33 meses e pagou 36 parcelas”.

Em tempo

O primeiro contrato assinado entre a Prefeitura de Anápolis e a GC Ambiental foi assinado em julho de 2012, na gestão Antônio Gomide.

Na época, a empresa assumia o serviço no lugar da Delta, envolvida em um escândalo nacional de corrupção. A rescisão do contrato foi um pedido do Ministério Público atendido pelo então prefeito.

Houve em 2013 uma nova licitação vencida pela GC, que assinou o novo contrato com a Prefeitura de Anápolis em outubro de 2014, já na gestão João Gomes, que assumiu o Executivo Municipal em abril do mesmo ano.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook