Portal 6

Clientes da ExplorerNet ficaram mais de 16h sem poder acessar internet em Anápolis

Sede da ExplorerNet, na avenida Presidente Kennedy. (Foto: Captura)

Agarrada em orientação da Anatel, provedora não pretende ressarcir clientes

Chegar em casa após um dia de trabalho e acessar a internet é algo quase que inevitável. Mas a situação muda quando a conexão não funciona e só volta após 16 horas de estresse e prejuízos.

Essa foi a realidade dos usuários da ExplorerNet, uma das maiores provedoras de internet via rádio de Anápolis, na noite de ontem (29). O problema começou por volta das 19h e só foi resolvido no final da manhã desta terça-feira(30), ao meio dia.

No site Reclame Aqui há pelo menos três páginas de usuários da cidade reclamando a perda do sinal e a impossibilidade de comunicação com a empresa.

Em conversa com a reportagem do Portal 6, a ExplorerNet disse que os problemas técnicos não partiu dela, mas sim de um equipamento de fornecedores terceirizados.

“Como foi um problema de terceiros, não pudemos fazer nada. Ficamos esperando a resolução para avisar nossos clientes. Nossas torres sempre estão em manutenção, temos centrais de alarme e técnicos para resolver qualquer situação. Quando é problema nosso, resolvemos em uma hora no máximo, mas dessa vez ficamos a mercê deles pra fazer alguma”, alegou Jaine Kathleen, atendente da ExplorerNet.

Segundo ela, os clientes não receberam nenhuma satisfação durante todas essas horas porque a ExplorerNet também trabalha com essa conexão em seus telefones.

Agarrada em uma orientação da Anatel, a ExplorerNet disse que não pretende ressarcir os clientes. Como justificativa, disse que teria obrigação de fazê-lo somente se o problema permanecesse por mais de 24h.

Em um nota publicada durante a tarde no Facebook, a empresa se manifestou pedindo desculpa pelos transtornos.

Procurado para comentar o caso, o Procon Anápolis, através do secretário Municipal de Defesa do Consumidor, Valeriano Abreu, disse que o órgão vai se inteirar melhor sobre o problema nesta quarta-feira (31) para se manifestar sobre quais medidas podem ser tomadas contra a empresa.

Quer comentar?

Comentários