PublicidadePublicidade

Conheça a história de “Gerente”, o cachorrinho de Anápolis que foi cruelmente morto a tiros

Autor do crime ainda não foi identificado, mas imagens podem ajudar nessa missão

Caio Henrique Caio Henrique -
(Foto: Divulgação)

Durante um evento realizado pela ONG ‘Patas Solidárias’ na Faculdade Metropolitana de Anápolis (FAMA), ainda em fevereiro, um convidado pra lá de inusitado marcou presença a todo tempo.

Ainda sem nome na época, um cachorro acompanhou todas as atividades da organização, sem se afastar dos presentes.

A atitude companheira fez com que a tarefa de deixá-lo para trás – ainda mais se tratando de uma ONG especializada no cuidado animal – fosse não apenas difícil, mas praticamente impossível.

PublicidadePublicidade

O sentimento foi descrito pela vice-presidente da Patas Solidárias, Adua Gisele, em entrevista exclusiva ao Portal 6.

“Depois que o evento acabou, não tinha mais como simplesmente deixar ele lá”, afirmou.

Porém, arrumar um lar para ele também não seria uma tarefa tão fácil. Isso porque, segundo Adua, os abrigos se encontravam lotados, assim como as residências dos integrantes da ONG.

Mas o carisma do animal foi além dos limites de qualquer dificuldade e, logo, um dos voluntários se ofereceu para abrigar o cachorrinho na própria loja.

E, desde então, essa foi a casa do mascote da organização, batizado como “Gerente” – uma homenagem ao cargo elevado que ele conquistou na hierarquia do estabelecimento.

Mas a fama de Gerente se espalhou para muito além das paredes que cercam a loja do Parque Brasília, bairro da região Leste de Anápolis.

Em pouco tempo, moradores e comerciantes da região também se renderam ao companheirismo e carinho do cachorro.

“Ele era muito dócil, muito companheiro, adorado por todos da região”, destacou Adua.

Até que, na tarde desta sexta-feira (25), um homem – ainda não identificado – colocou um triste fim em toda essa história de companheirismo e superação de um belo exemplo do porquê os cachorros carregam a fama de “melhor amigo do homem”.

Sem camisa, de bermuda cor vinho, boné preto, óculos-escuros e uma arma na cintura. Assim ficou registrado no boletim de ocorrências a ‘face’ do homem responsável por atirar e matar o cachorrinho a sangue frio.

A motivação? Segundo a vice-presidente, alguns latidos em direção ao sujeito que, de acordo com ela, já circundava as ruas do bairro há algum tempo com atitude suspeita.

Gerente chegou a ser socorrido e encaminhado às pressas para a clínica “Bicho Forte”, no Jundiaí, onde tentaram o reanimar por duas vezes, mas sem sucesso.

Infelizmente, os latidos de aviso do fiel companheiro foram também seus últimos.

Após o registro do B.O, a Patas Solidárias informou que prosseguirá com todas as medidas cabíveis.

O trunfo para a continuação das investigações e possível identificação e prisão do responsável são imagens recebidas pela ONG via denúncia, do possível autor (com características que batem com a descrição) correndo pelas ruas do bairro.

As próximas cenas deste triste capítulo devem ser deslumbradas já nesta segunda-feira (28), com o encaminhamento do material para o 7º DP de Anápolis, justamente no Parque Brasília.

Lá, será dada sequência nas investigações.

Circulam diversas imagens do corpo de Gerente depois da cruel ação. Porém, a reportagem preferiu mostrá-lo como foi durante toda a sua vida: companheiro, fiel e com uma feição que parecia mostrar um constante sorriso no rosto.

É o que pode ser visto nas imagens a seguir.

 

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade