PublicidadePublicidade

Embraer anuncia o primeiro voo de seu avião com motor elétrico

O foco principal da tecnologia é reduzir o impacto ambiental dos aviões, hoje, 3% das emissões humanas de carbono são de turbinas

Folhapress Folhapress -
Fachada de uma filial da Embraer, em Gavião Peixoto (SP). (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

A Embraer anunciou nesta sexta (13) que realizou o primeiro voo com um avião elétrico produzido pela fabricante no Brasil.

O venerando modelo Ipanema, usado para pulverizar lavouras com pesticidas, foi adaptado com pesadas baterias para fazer funcionar um motor da empresa catarinense WEG.

A data do voo, mostrado em um vídeo gravado em sua unidade de Gavião Peixoto (SP), não foi divulgada.

O anúncio fez parte da apresentação do primeiro plano de ESG (sigla inglesa para ambiente, social e governança) da terceira maior fabricante de aviões do mundo. As práticas viraram item obrigatório para grandes corporações nesta década, e mais recentemente foram adotadas pela indústria aeronáutica.

Como ocorreu no lançamento do primeiro relatório da Boeing, no mês passado, o foco principal do pacote apresentado pela brasileira foi a tecnologia para reduzir o impacto ambiental dos aviões, hoje, 3% das emissões humanas de carbono são de turbinas, valor que vai dobrar até 2050 se nada for feito.

Mas a abordagem da Embraer é distinta daquela dos americanos.

“As soluções são combinadas. Talvez SAF (Combustíveis de Aviação Sustentáveis, na sigla em inglês) e hidrogênio para aviões maiores, motores elétricos para menores e carros voadores”, afirmou Luís Carlos Affonso, vice-presidente de Engenharia e Tecnologia da empresa.

A Boeing, por sua vez, aposta mais nos SAF, categoria que inclui biocombustíveis como o etanol e o biodiesel, mas também carburantes tirados da compostagem de lixo e biomassa como bagaço de cana.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo no mês passado, o “CEO de sustentabilidade” da empresa, Chris Raymond, disse que as barreiras regulatórias para o uso de carros voadores sugeriam dificuldades futuras.

Há muito de estratégia empresarial aí. Como Affonso admitiu, o SAF promete resultados mais rápidos e aplicáveis a todos os produtos de aviação.

Mas a Embraer tem feito bastante barulho internacional com a montagem de parcerias para a produção de seu eVTOL (veículo elétrico de decolagem e pouso verticais, na sigla inglesa), vendido sob a marca de sua subsidiária Eve.

Os SAF apresentam também seus problemas, como a escala de produção e o fato de que hoje eles precisam ainda ser misturados com querosene de aviação para funcionar.

Assim, a Embraer preferiu dar ênfase a um “mix” balanceado de opções para cumprir sua parte no escaninho E do ESG.

Além do carro voador, que pretende ver voando em 2026, o desenvolvimento do motor experimental com o Ipanema permite desenhar projetos que o incluam.

A Embraer apresentou à Força Aérea Brasileira o projeto de um avião de transporte com dois motores turboélices e dois elétricos, por exemplo -embora o recente corte de encomendas do cargueiro KC-390 sugira problemas orçamentários para o avião decolar.

Além disso, confirmou que pretende desenvolver um novo turboélice, 20% mais eficiente em termos de consumo do que os jatos regionais da linha ERJ, de 50 lugares. O avião será maior e terá comunalidade de cabine com os maiores E-Jets, levando de 70 a 90 passageiros, com dois motores na parte traseira da fuselagem.

O Ipanema é uma aeronave pioneira em novas tecnologias. Em 2004, foi o primeiro avião do mundo a ser certificado para voar com etanol.

Aviões elétricos de maior porte são testados no mundo desde os anos 1970, mas sempre enfrentam problema com a potência, o que obriga a desenhos diferentes de asas e fuselagem. Já os carros voadores adaptaram conceitos de drones, com múltiplos motores pequenos, mas precisam ser limitados em peso e tamanho.

A empresa lançou também algumas metas ambientais. Pretende usar SAF em 25% de suas operações (voos de teste, transporte de peças etc.) até 2040, interromper o crescimento da pegada de carbono em 2022 e tentar chegar a 2050 à emissão neutra.

Além a questão tecnológica, a Embraer também lançou um pacote de inciativas sociais e de inclusão de funcionários integrantes de grupos minoritários, e estabeleceu 2025 como data para que as posições de liderança na empresa tenham ao menos 20% de mulheres.

“O ESG está no centro do propósito da Embraer e é por isso que o incluímos como um dos pilares do nosso plano estratégico”, disse o presidente da empresa, Francisco Gomes Neto.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade