Suspeito de assassinato de presidente do Haiti morre de Covid, diz esposa

Falecimento ocorreu enquanto era transferido da prisão para um hospital, após apresentar sintomas do vírus

Folhapress -
Presidente do Haiti Jovenel Moise morto em julho (Foto: Reprodução)

(UOL/FOLHAPRESS) – Um suspeito de participação do assassinato do presidente do Haiti Jovenel Moise, em julho, morreu enquanto era transferido da prisão para um hospital após apresentar sintomas da Covid-19, disse sua esposa, segundo a agência Reuters.

Gilberto Dragon, 52 anos, era um ex-comissário de polícia e morreu de parada cardíaca, disse Marie Leslie Noel. Ela disse que passou duas semanas tentando transferi-lo para um hospital e lutando para que ele pudesse fazer um teste de Covid-19.

Conforme a Reuters, o ministro da Justiça do Haiti, Liszt Quitel, não respondeu aos pedidos de comentário sobre o caso.

Em agosto, a Polícia Nacional do Haiti disse em um relatório que Dragon havia entrado em contato com outros suspeitos na noite do assassinato de Moise e participado de reuniões para planejá-lo.

Noel disse que seu marido foi preso injustamente e que estava dormindo em sua casa na noite em que o crime ocorreu. Ela disse que Dragon foi falar com os investigadores por conta própria depois de ouvir que a polícia estava procurando por ele. “Eu estava muito impaciente pelo julgamento porque queria ver as provas que eles tinham”, disse ela.

O Haiti já fez mais de três dezenas de prisões, incluindo um grupo de ex-militares colombianos, em conexão com a investigação do assassinato de Moise.

Um suspeito foi preso em Istambul, na Turquia, na última segunda-feira (16).

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.