Expectativa de vida nos Estados Unidos caiu quase 2 anos em 2020

Contabilizada como a maior queda em comparação com os outros 21 países de alta renda, de acordo com um estudo global

Folhapress -
Expectativa de vida nos Estados Unidos caiu quase 2 anos em 2020 (Foto: Getty Images)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A expectativa de vida nos Estados Unidos caiu quase dois anos em 2020, para cerca de 77 anos de idade, em meio à pandemia de Covid-19, a maior queda em comparação com os outros 21 países de alta renda, de acordo com um estudo global. As informações são da Agência Brasil.

Os norte-americanos têm hoje expectativa de vida de 76,99 anos, e não mais 78,86 anos, registrada em 2019, de acordo com a pesquisa, que avaliou as contagens nacionais de mortes e de população em 2019 e 2020 para calcular a razão de taxas de mortalidade.

A queda de 1,87 anos na expectativa de vida no ano de 2020 foi bem mais alta do que a média de redução, que foi de 0,58 ano em 21 outros países, entre eles Canadá, França, Alemanha, Dinamarca e Coreia do Sul. Nenhum país experimentou uma queda tão brusca quanto a dos Estados Unidos, de acordo com o estudo.

Os números de mortalidade por Covid-19 nos EUA e de mortes em excesso estiveram entre os mais altos do planeta, e o vírus foi a terceira causa de morte nos Estados Unidos em 2020, atrás apenas de doenças cardíacas e câncer.

Os autores do estudo disseram que os Estados Unidos geriram mal as respostas federal, estadual e local à pandemia de Covid-19 no início, contribuindo para maiores números de mortos do que em outros países. A resposta à pandemia acentua a diferença de expectativa de vida entre os EUA e esses países.

“O fato de que os EUA perderam muito mais vidas do que outros países de alta renda diz não apenas sobre como gerimos a pandemia, mas também sobre outros problemas profundamente enraizados que antecediam a pandemia”, disse Steven H. Woolf, um dos autores do estudo e professor da Universidade Commonwealth da Virginia.

“A expectativa de vida nos EUA tem estado atrás de outros países desde os anos 1980, e a diferença se ampliou ao longo do tempo, principalmente ao longo da última década”, disse.

Woolf disse que os norte-americanos morrem em taxas mais altas por conta de doenças cardíacas, diabetes e dezenas de outras condições. A falta de acesso universal a cuidados médicos, renda e desigualdade educacional, e ambientes menos físicos e sociais menos saudáveis também contribui.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade