Vinda do Coco Bambu para Anápolis pode atrair outras redes de restaurantes famosos

Ideia é trazer marcas consolidadas em Goiânia e Brasília, que costumam agregar o público da cidade

Danilo Boaventura -
Coco Bambu tem previsão de chegar em Anápolis no final de setembro. (Foto: Reprodução)

São altas as expectativas para a chegada do Coco Bambu em Anápolis. E não é para menos. O famoso restaurante chega investindo R$ 8 milhões e de cara se tornando um dos maiores da cidade.

Uma movimentação que, para além do mercado gastronômico, chama também atenção de investidores. Alguns acreditam que a empreitada tem tudo para dar certo e, consequentemente, abrir espaço para novas.

Por conta disso, sondagens a outras redes de restaurantes famosos já estão sendo encomendadas. A ideia é trazer para cidade marcas consolidadas em Goiânia e Brasília, que costumam atrair público de Anápolis.

Falando em comida

Um grupo de pré-candidatos pretende explorar na época da campanha as despesas que os adversários com mandatos realizaram nos últimos anos com alimentação. A estratégia é soltar a conta gotas os materiais para ir desgastando aos poucos os concorrentes à Alego e Câmara.

Prato cheio

Para isso, eles contam que páginas e figuras que conseguiram recente notoriedade nas redes sociais ajudem na disseminação desses ataques de maneira orgânica. “Um prato cheio como esse, a gente consegue sem nem precisar pagar”, disse um dos entusiastas do plano.

Outra frente

A criação de fakes, principalmente no Instagram, que permite realizar comentários mesmo com a conta fechada, também está sendo articulada para dar volume aos exércitos virtuais destas eleições. Sob pena de perderem o emprego, pessoas ligadas a gabinetes estão incumbidas dessa missão.

Nota 10

Para o Grupo Proeng, que colhe os frutos de ter enxergado o potencial e investido em Anápolis. Depois de empreendimentos como London Eye Offices, London Hotel & Offices e Ipiranga Park Residencial, vem aí o Hudson River Residence.

Nota Zero

Para a Câmara Municipal de Goiânia, que tomou bloqueio no Youtube por disseminação de fake news. Punição como essa a um órgão de Poder Legislativo é inédita no Brasil e pode ser entendida como um recado da rede social, que vem tendo tolerância zero com canais que adotam esta prática.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade