Paciente com doença rara recebe conta de mais de R$ 200 por chorar em consulta

Camille Johnson publicou relato nas redes sociais e revelou frustração e tristeza da irmã com o tratamento do hospital

Isabella Valverde -
Revoltada com a situação, jovem publicou a conta e relatou o motivo do choro da irmã. (Foto: Reprodução)

Já imaginou pagar mais caro numa consulta simplesmente por ter chorado? Foi isso que aconteceu com a irmã mais nova da americana Camille Johnson, que trata de uma doença rara.

A pequena recebeu a cobrança de uma taxa extra depois que veio às lágrimas em um centro médico dos Estados Unidos.

O depoimento foi publicado na conta de Camille no Twitter e já acumula mais de 64,4 mil curtidas, além de diversos compartilhamentos e comentários.

“Minha irmã mais nova tem lutado muito com um problema de saúde ultimamente e finalmente conseguiu consultar um médico. Eles cobraram $40 [dólares] por chorar” contou no post.

Na conta enviada pelo centro médico, compartilhada  pela jovem, há a cobrança de $20 dólares pelo exame de visão, $30 dólares por uma coleta de sangue capilar, $15 dólares de um teste de hemoglobina, $350 dólares por um exame preventivo de saúde e, o que mais chocou, $40 dólares por “breve avaliação emocional/comportamental”.

Em uma outra publicação, também no Twitter, a jovem contou que o maior motivo para a revolta é saber que a irmã chorou de frustração pelas dificuldades que enfrenta com o tratamento de uma doença rara.

“Ela tem uma doença rara, então está realmente lutando para encontrar cuidados. Ela se emocionou porque se sente frustrada e desamparada. Uma lágrima e eles cobraram US $40 [mais de R$200] sem explicar por que ela está chorando, tentando ajudar, fazendo qualquer avaliação, qualquer receita, nada”, desabafou.

Diversos internautas deixaram mensagens de apoio na publicação realizada por Camille e demonstrando indignação com o ocorrido.

“Isso é muito errado e tem que ser ilegal. Não sei como diabos alguém pode ganhar dinheiro com uma pessoa que apenas expressa emoção”, comentou um usuário da plataforma.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade