Populista Hernández cita risco de vida e cancela campanha pública na Colômbia

Anúncio foi feito através de uma série de postagens no Twitter

Folhapress -
Populista Rodolfo Hernández dispara e ameaça mudar eleição presidencial na Colômbia (Foto: Reprodução/ Twitter)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O candidato presidencial colombiano Rodolfo Hernández, 77, cancelou suas atividades públicas a dez dias do segundo turno da eleição contra o esquerdista Gustavo Petro, 62, dizendo que está com a vida em risco. O anúncio foi feito pelo próprio Hernández em uma série de postagens no Twitter nesta quinta (9).

“Para minha segurança e para garantir a possibilidade de uma eleição democrática em 19 de junho [data da votação], tomei a decisão de cancelar todas as minhas aparições públicas entre agora e as eleições”, escreveu. “Neste momento tenho certeza de que minha vida está em risco.”

Um porta-voz da polícia disse que não tinha informações sobre ameaças contra o populista, mas que estava investigando o caso. Mais tarde, em entrevista coletiva dada em Miami (EUA), para onde viajou, Hernández disse que está sendo feita uma campanha contra ele.

“Eles estão planejando nos destruir com falsas testemunhas e depoimentos falsos”, afirmou, sem citar nomes ou dar outros detalhes. “Já recebi avisos de que eles estariam tentando me matar. Não será com balas, vai ser com faca.”

Nos tuítes, Hernández fez referência à divulgação de um vídeo com assessores de Petro discutindo estratégia política de campanha. O populista se referiu ao rival e a seus apoiadores como um grupo criminoso “que não tem limites e está disposto a fazer qualquer coisa para chegar ao poder”. Depois, completou: “Podemos esperar qualquer coisa, até o mais grave”.

Sua assessoria informou que todas as aparições públicas dele até o segundo turno serão canceladas; um comício marcado para este sábado (11) em Bogotá terá sua presença de forma apenas virtual. O populista está nesta quinta na Flórida, onde tenta conquistar os votos da comunidade local –no sul do estado há 100 mil cidadãos colombianos aptos a votar, dos quais metade foi às urnas no primeiro turno.

O ex-prefeito de Bucaramanga, que surpreendeu no primeiro turno, ultrapassando nomes inicialmente mais bem cotados, faz uma campanha calcada num discurso anticorrupção e forte presença nas redes sociais –ele faz relatórios diários por meio de transmissões ao vivo. Seu programa de governo, porém, é vago e mistura elementos de direita e esquerda.

Sobre os vídeos a que Hernández se referiu, Petro disse que são a prova de que é sua campanha que está sendo alvo. Também no Twitter, o esquerdista disse que compreende os motivos do rival, porque ele próprio viveu “décadas sob ameaça”, mas aproveitou o caso para fazer uma provocação.

“Se meu concorrente tem medo que atentem contra ele, como tivemos sem restringir nossos atos, o convido a debater em um lugar seguro, na TV. O povo merece”, disse.

A campanha colombiana já tinha sido marcada pelo cancelamento de eventos por parte de Petro, no começo de maio. Ele, que liderou as pesquisas, suspendeu atos públicos após denunciar uma suposta tentativa de homicídio –à época, ele teria encontros na região conhecida como Eixo Cafeeiro.

Em comunicado, a assessoria de imprensa do atual senador afirmou que a equipe de segurança recebeu informações de que o grupo La Cordillera estaria planejando um ataque contra ele. O La Cordillera é identificado como uma célula que atua nos departamentos de Quindío, Caldas e Risaralda. Seu mais recente atentado culminou com o assassinato de um líder ativista local, Lucas Villa, durante protestos no ano passado.

Magnicídios não são inusuais na história política recente da Colômbia. Ex-integrante do M-19, a exemplo de Petro, o então candidato presidencial em 1990 Carlos Pizarro foi assassinado dentro de um avião, quando se deslocava entre atos de campanha.

Na mesma corrida eleitoral, houve o assassinato do líder liberal Luis Carlos Galán, à época favorito para vencer o pleito, a mando do Cartel de Medellín. Galán era um inimigo pessoal do então líder da facção criminosa, Pablo Escobar, e vinha denunciando os delitos de narcotráfico ocorridos na época, quando também foram assassinados ministros, donos de jornal e empresários.

O cartel ainda atacou e derrubou um voo da Avianca que ia de Bogotá a Cali, na tentativa de matar Cesar Gaviria, que assumiu a candidatura no lugar de Galán. Foi, porém, um erro de planejamento do grupo, uma vez que o político havia mudado de planos e não estava a bordo. No ataque, morreram as 107 pessoas que estavam na aeronave.

Ainda nessa mesma campanha, que depois seria vencida por Gaviria, também foi morto o candidato comunista Bernardo Jaramillo Ossa.

O assassinato mais marcante da história colombiana, porém, foi o de Jorge Eliezer Gaitán, em 1948. O político, que concorreria às eleições presidenciais, foi morto à luz do dia em pleno centro de Bogotá. O autor do crime foi posteriormente morto por uma multidão enfurecida e seu corpo acabou sendo arrastado pelas ruas da capital.

O pleito atual, à sombra de um aumento recente dos índices de violência no país, viu também uma intromissão das Forças Armadas.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade