Haitianos vivem condições subumanas, diz premiê ao pedir missão externa

"Há que ser feito algo urgente para nos ajudar a criar um futuro melhor", argumentou Ariel Henry

Folhapress Folhapress -
Ariel Henry, primeiro-ministro do Haiti. (Foto: Reprodução/YouTube)

MAYARA PAIXÃO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Como esperado, o premiê Ariel Henry, a mais alta autoridade do Haiti e cuja figura é questionada nas ruas, usou seu discurso na Assembleia Geral da ONU para pedir que o Conselho de Segurança da ONU aprove uma missão multinacional de ajuda à polícia local.

Espera-se que o tema entre em votação no órgão, que o Brasil compõe como membro rotativo, até o final da próxima semana.

E vários líderes globais, entre eles o americano Joe Biden, já haviam usado o púlpito da ONU em Nova York para coro ao pedido do líder haitiano.

“A população haitiana está enfrentando condições subumanas. A crise é estrutural e multidimensional e que dura por anos, mas a situação de segurança deteriorou, e isso atrasa o progresso”, disse Henry.

“Não estamos aqui para justificar o passado, mas para pedir aos países amigos que entendam que há que ser feito algo urgente para nos ajudar a criar um futuro melhor às crianças haitianas.”

Ele citou o que chamou de “uma lista sem fim” dos crimes cometidos pelas gangues urbanas que controlam 80% da capital, Porto Príncipe.

“Eles assassinam, ateiam fogo, bloqueiam ruas, fecham escolas e hospitais, sequestram, praticam violência sexual, tráfico de órgãos e de pessoas, execuções extrajudiciais. Abusam com particular crueldade.”

O poder desses grupos escalou à medida que uma espécie de vácuo de poder foi criada no país do Caribe após o assassinato do presidente Jovenel Moïse a tiros, em sua casa, em 2021.

Henry, escolhido por Moïse pouco antes para ser primeiro-ministro, assumiu a chefia do país, que hoje não conta com nenhum representante político eleito.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade
PublicidadePublicidade