Carro que pegou fogo em Anápolis com amigas dentro será substituído

Veículo tinha apenas 40 dias de uso e dona também vai receber indenização

Rafaella Soares -

A montadora Hyundai Caoa do Brasil Ltda e a concessionária Saga Hyundai Anápolis terão de pagar R$30 mil de indenização para uma cliente, depois que o carro dela, um HB20, pegou fogo espontaneamente com apenas 40 dias de uso. A decisão é do juiz Eduardo Walmory Sanches.

De acordo com a sentença, Lorena Jorge Alcântara estava com uma amiga no momento do incêndio e as duas tiveram que sair correndo do veículo, enquanto ele era tomado pelas chamas.

A proprietária parou o carro em frente o Batalhão da Polícia Militar e um policial apagou o fogo com o auxílio de um extintor. No entanto, a parte dianteira do HB20 ficou completamente danificada, pois foram atingidos componentes mecânicos e elétricos.

Sem entender como tudo ocorreu, Lorena chegou a entrar em contato com a montadora para pedir um laudo que explicasse a razão do incêndio e, em resposta, ouviu da empresa que aquilo não era do interesse dela.

Depois de ajuizada a ação, a Hyundai se justificou dizendo que o carro não tinha nenhum vício e, por isso, a concessionária é que devia ser responsabilizada.

A Saga, no entanto, rebateu afirmando que não poderia substituir o veículo pois prazo máximo para reparação é de 30 dias. A empresa disse também que o caso não cabe pagamento de indenização porque o incêndio foi “um mero aborrecimento”.

Conforme o magistrado, as condenadas deverão responder de forma solidária depois que a consumidora passou por tantos prejuízos.

“A solidariedade faz parte do sistema de proteção ao consumidor, desde o fabricante, passando pelo distribuidor e o revendedor e, com isso, todos devem responder pelo vício do produto. A garantia de qualidade-adequação do produto deve ser respeitada por todos”, disse.

O juiz também afirmou que essa situação não pode ser tratada como aborrecimento devido aos abalo emocional que pode ser causado na proprietária.

“Não se pode admitir como normal que o carro pegue fogo em movimento e não haja qualquer consequência para o fabricante ou revendedor desse veículo”.

Juntamente com o valor de R$30 mil, as empresas condenadas também terão de substituir o veículo por outro zero quilômetro.

Veja a sentença na íntegra.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.