PublicidadePublicidade

Com alta no preço da carne, moradores de Anápolis têm recorrido ao carro do ovo

Encarecimento chegou com tudo em supermercados e açougues locais. Procon está acompanhando os aumentos e em alerta para coibir abusos

Denilson Boaventura Denilson Boaventura -

Disparado em todo o país, o aumento no preço da carne chegou ao bolso dos anapolinos. O quilo do contra-filé, por exemplo, já é encontrado por mais de R$ 30 em diversos supermercados e açougues da cidade. Coxão mole, filé e picanha são outros cortes nobres que tem pesado no orçamento dos consumidores.

É o caso da aposentada Maria do Socorro, de 68 anos. Moradora do Bairro de Lourdes, ela disse que notou a alta desde a última semana e achou que era apenas ‘impressão da idade’. “Mas agora eu vi que não e os meninos [açougueiros] disseram que a culpa é do chineses”, contou à reportagem do Portal 6.

A informação repassada à consumidora está correta. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), o país oriental passou a importar mais carne brasileira por conta de um de um surto de gripe suína e esse fator inesperado refletiu em um expressivo aumento não só na arroba do boi, como também de outras proteínas.

Para a ministra da Agricultura Tereza Cristina, esse aumento no preço da carne é uma ‘euforia momentânea do mercado’. Além das exportações em ascensão, ela aponta que fatores climáticos também têm interferido no valor da proteína mais consumida pelos brasileiros.

“Nós tivemos também a seca, que foi mais prolongada. O gado que tá no pasto tá demorando mais pra ficar pronto”, afirmou à Rádio Bandeirantes. “Isso aconteceu com a soja e outros produtos. Agora chegou a vez da proteína, mas eu acho que o mercado se ajusta em pouco tempo”, complementou.

Enquanto o mercado não se ajusta e o preço não diminui, a população tem recorrido a consumir frango e ovos. Maria do Socorro, há anos cliente do carro que nas ruas vende 30 ovos por R$ 10 optou por comprar duas cartelas esta semana. “A gente precisa se virar como dá. Omelete, ovo frito, cozido… sem ‘mistura’ não vou ficar”, ressaltou.

Secretário municipal de Defesa do Consumidor, Robson Torres explicou ao Portal 6 que está acompanhando de perto a situação. “O Procon Anápolis vem cumprindo sua missão institucional e está atento a todas as questões que envolvem o consumo de bens e serviços, e principalmente quando o assunto é o aumento de preços”, pontuou.

O titular da pasta também acrescentou que os consumidores que, de alguma maneira, sentirem que estão sendo lesados podem acionar o órgão. “Ainda que atuemos de forma ostensiva e com vigilância constante, em muitos casos são através das denúncias e reclamações que conseguimos atuar preventivamente e minimizar os danos coletivo”.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade