PublicidadePublicidade

Bolsonaro ignora apelos e formaliza no Senado pedido de impeachment de Moraes, do STF

Nos últimos dias, ministros palacianos vinham tentando dissuadi-lo da ideia

Folhapress Folhapress -
(Foto: Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ingressou na tarde desta sexta-feira com um pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

A formalização ocorre no dia em que a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços do cantor Sérgio Reis e do deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), aliados do presidente.

As medidas foram solicitadas pela Procuradoria-Geral da República e autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.

PublicidadePublicidade

No último sábado, um dia após a prisão de seu aliado Roberto Jefferson, Bolsonaro anunciou que iria entrar com a ação. A detenção do ex-deputado ocorreu por ordem de Moraes, após ataques do político às instituições.

“De há muito, os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, extrapolam com atos os limites constitucionais. Na próxima semana, levarei ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, um pedido para que instaure um processo sobre ambos, de acordo com o art. 52 da Constituição Federal”, publicou em uma rede social.

Sem a presença de autoridades, o protocolo dos pedidos de impeachment nesta sexta foi bem diferente do que Bolsonaro havia planejado inicialmente.

A ideia era levar pessoalmente os documentos, acompanhado de ministros de Estado, às mãos do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

No entanto, os pedidos de impeachment foram protocolados no início da noite de sexta-feira, quando Brasília, em especial o Congresso, está esvaziada. Até mesmo Pacheco está fora de Brasília.

Nos últimos dias, os ministros palacianos Ciro Nogueira (Casa Civil) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo), que vinham tentando dissuadi-lo da apresentação dos pedidos, também trabalhavam com a hipótese de ele não fazer um ato político em torno disso, caso não desistisse da ideia.

Na avaliação deles, o ato traria um constrangimento ainda maior para os parlamentares, em especial para Pacheco.
A representação de Bolsonaro vai entrar em uma fila atrás de outras 17 iniciativas de abertura de investigação contra os ministros do STF que tramitam no Senado, responsável por processar e julgar os membros da corte.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade