PublicidadePublicidade

Gratuidades no transporte público de Anápolis representam quase 30% da passagem para o usuário pagante

Urban entende que tarifa poderia ser menor desde que o poder público subsidiasse parte da tarifa ou desonerasse os custos da empresa

Avatar Danilo Boaventura -
Urban é concessionária do transporte coletivo em Anápolis desde 2015. (Foto: Divulgação)

Muito em breve a Agência Reguladora Municipal (ARM) deve entregar ao prefeito Roberto Naves (PP) o parecer recomendando como proceder diante do pedido de reajuste tarifário feito pela Urban.

Pelo contrato celebrado em 2015, a concessionária tem direito a pedir anualmente o reajuste tarifário, mas a decisão sempre cabe ao chefe do Poder Executivo Municipal.

Desde 2019 a passagem permanece em R$ 4,00 no cartão e R$ 4,25 se for paga em espécie no ônibus. Desta vez, a empresa alega não suportar mais os custos da operação, que aumentaram com a pandemia e a crescente alta no preço dos combustíveis.

Convidado do Portal 6 Entrevista de quinta-feira (02), Carlos Leão, diretor jurídico do Grupo São José, dono da Urban, ponderou que a passagem poderia ser mais barata desde que o usuário não arcasse sozinho com os custos da tarifa.

Segundo ele, quase 30% do total da passagem que o usuário paga serve para bancar gratuidades para idosos, deficientes e estudantes.

No entender da empresa, como elas são previstas em Lei, a responsabilidade de custear esses benefícios deveria ser do estado e não do cidadão.

Para isso, lembra Carlos Leão, haveria dois caminhos. Subsídio na passagem ou desoneração dos custos do sistema de transporte público.

Assista na íntegra

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade