PublicidadePublicidade

Talibã diz que conquistou o último bolsão de resistência no Afeganistão

Informação foi dada à agência de notícias Reuters por três autoridades talibãs em Cabul

Da Redação Da Redação -
Soldados do Talibã hostentam armas. (Foto: Reprodução/ YouTube)

O grupo fundamentalista islâmico Talibã afirmou que conquistou a área que ainda não estava sob seu domínio no Afeganistão, o vale do Panjshir.

A informação foi dada à agência de notícias Reuters por três autoridades talibãs em Cabul. Na capital, foram registrados tiros e fogos de artifício em celebração pela suposta conquista, assim como em relatos no Facebook de grupos de apoio aos novos donos do Afeganistão.

Em um vídeo enviado à rede BBC, um dos líderes da chamada Frente Nacional de Resistência, o ex-vice-presidente Amrullah Saleh, disse que “sem dúvida estamos numa situação difícil, sob invasão do Talibã, mas nós mantivemos nosso território e resistimos”.

PublicidadePublicidade

Parece pouco provável. Em uma mensagem passada à reportagem por um ex-funcionário do Ministério das Relações Exteriores afegão, um porta-voz da Frente admite que o grupo está debilitado e pede que as negociações com o Talibã sejam reiniciadas.

Após negociações fracassadas, o grupo reiniciou sua ofensiva na bem protegida região, 100 km a nordeste de Cabul e cercada de picos do Hindu Kush, na quinta (2).

“Nós vamos nos defender de qualquer modo. Toda evidência aponta para guerreiros estrangeiros de grupos terroristas que se uniram ao Talibã neste ataque. Eles optaram por agredir, embora a porta da negociação esteja aberta”, disse o comunicado.

O Talibã conquistou todo o Afeganistão, exceto Panjshir, em uma ação avassaladora que durou duas semanas e acabou com a tomada de Cabul, no dia 15 de agosto.

Ninguém sabe quantos soldados, a maior parte integrantes de forças especiais do antigo Exército afegão, estão no vale –uma região tradicionalmente anti-Talibã, tanto que nunca se rendeu no na primeira vez em que o grupo fundamentalista esteve no poder (1996-2001).

Seja como for, a Frente não parece ter força militar para enfrentar o Talibã, ainda mais em sua versão anabolizada com armas apreendidas do Exército e dos EUA.

A vitória no Panjshir, se consumada, coloca o Talibã na posição final de único poder no Afeganistão, facilitando sua interlocução com potências estrangeiras que já estão de olho em algum tipo de acomodação.

O preço cobrado no exterior até aqui é a moderação em questões de direitos humanos, em especial das mulheres, e outros pontos que foram atacados de forma violenta pelo Talibã no seu governo anterior –derrubado pelos EUA por ter abrigado a Al Qaeda, que executou o 11 de Setembro em 2001.

O Talibã sustenta que manterá uma linha moderada, algo que enfrenta teste de realidade: relatos de perseguição de adversários se misturam à permissão para protestos de mulheres em Cabul.

Vinte anos depois, os americanos se retiraram do Afeganistão e, diferentemente do que ocorreu na sua invasão, não deram apoio aos rebeldes do Panjshir. O líder militar de agora é o filho do comandante daquela época, ambos chamados Ahmad Massoud.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade