PublicidadePublicidade

Goiás tem a primeira advogada transexual do país a ocupar cargo de Conselheira da OAB

Amanda Souto Baliza afirma ter como meta trazer mais pautas sociais para o debate na advocacia e inspirar outras pessoas da comunidade LBGTQIA+ a seguirem os próprios sonhos

Augusto Araújo -
Amanda Souto Baliza, primeira mulher transexual eleita para um Conselho Seccional da OAB no Brasil. (Foto: Arquivo Pessoal)

De uma cidade de 5 mil habitantes situada no Norte de Goiás para o Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no estado. Essa é uma linha curta da trajetória de Amanda Souto Baliza, 30 anos, primeira mulher trans eleita para o cargo de conselheira seccional em todos os 91 anos de história da entidade de advocacia nacional.

Integrante da Chapa Compromisso OAB, liderada por Rafael Lara Martins, que ganhou a eleição para a presidência da OAB Goiás, realizada na última sexta-feira (19), Amanda acredita que o fato de ter assumido a função no Conselho é uma forma de inspirar outras pessoas transexuais a seguirem os próprios sonhos.

“A pessoa trans é forçada pela sociedade a seguir profissões marginalizadas, sendo muito comum ir pelo caminho da prostituição. Espero que possa motivá-las a não desistir, a não seguir aquilo que é definido por outros”.

A advogada destaca também que há uma quantidade muito pequena de transexuais exercendo a advocacia em todo o país. Ela estima que esse número não passe da casa de 200.

Amanda entende que, a partir de uma maior participação de pessoas LBGTQIA+ nas tomadas de decisões da sociedade, problemas não antes debatidos podem ser abordados, assim como soluções para estas questões sociais.

“Quanto mais diversidade se tem em uma instituição, mais amplo é o campo de visão dela”, afirmou.

Trajetória

Natural de Estrela do Norte, município de 5 mil habitantes, Amanda se formou em Direito pela UniEVANGÉLICA, em Anápolis, em 2012. Ela revelou que sua transição veio após alguns anos, quando já exercia o trabalho na advocacia.

Algum tempo depois, ela passou a se interessar e aprender mais sobre direitos das pessoas LGBTQIA+, o que acabou levando ao caminho do ativismo e da política.

Em 2020, Amanda assumiu o cargo de Coordenadora Jurídica na Aliança Nacional LGBTI+ e de Diretora Jurídica da Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas, o que deu a ela ainda mais experiência na área social.

Tendo como base toda a atuação nessas pautas, a agora Conselheira Seccional da OAB tem como expectativa que o trabalho em conjunto da chapa eleita possa dar ainda mais visibilidade para esse grupo social historicamente marginalizado.

“Espero que a gente consiga pautar as questões sociais da advocacia como um todo. Não podemos deixar que nenhuma parcela fique invisibilizada. Temos que trabalhar em prol de todos”, enfatizou.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.