Tesouros domésticos

Há poucos dias, um italiano estava limpando as gavetas de sua casa e encontrou um monte de desenhos antigos, herança do falecido pai. Ia jogar aqueles rabiscos no lixo quando teve a ideia de pedir para alguém olhá-los. Resumindo: um deles era de Leonardo da Vinci, avaliado em 15 milhões de Euros.

Ontem, na casa dos meus pais, encontrei um CD numa gaveta empoeirada. Ainda na embalagem, deve ter sido alguma lembrança que me pai largou naquele limbo. Pedi para meu pai desembalar (nunca consegui fazer isso sem uma faca ou tesoura) e ouvi Miles Davis por horas a fio.

Já era tarde da noite quando retornei à sala para ouvir o disco de Miles Davis novamente. E poucas vezes na vida me senti com o espírito tão elevado. Trompete, piano, baixo e outros instrumentos numa harmonia inédita e irresistível aos meus ouvidos plebeus. Ao que tudo indica, fui fisgado pelo Jazz …

Daí, fui procurar saber mais sobre aquele disco do trompetista americano. E descobri que Kind of Blue é considerado um disco essencial na história do Jazz. Tem gente que diz sem medo de errar: é o principal disco de Jazz de todos os tempos. E eu também digo sem medo de errar que é meu disco favorito de Jazz.

Da minha parte, só posso dizer que esse disco é para ser ouvido e vivido. Já entrou na minha lista de discos essenciais. Um tesouro empoeirado na casa dos meus pais acabou se tornando uma das principais experiências de 2016 para mim.

E quem não tem seus tesouros esquecidos ou até mesmo desconhecidos em casa? Basta fuçar para achar.

Rodolfo Torres é advogado (pós-graduando em Direito Tributário), jornalista e autor do livro Bob Fields Forever (coletânea de frases do parlamentar Roberto Campos). Escreve todas as sextas. E-mail: rodolfo.anapolis@gmail.com

Quer comentar?

Comentários