Reflexos da greve dos caminhoneiros em Anápolis vira destaque no Jornal Nacional

Empresas como Teuto e Neo Química estão com parte da produção de medicamentos paralisada devido à falta de insumos e dificuldades no escoamento

Danilo Boaventura -

Abrigando o segundo maior polo farmacoquímico do Brasil, Anápolis está sofrendo drasticamente os reflexos da greve dos caminhoneiros.

Gigantes da produção de medicamentos, empresas como Teuto e Neo Química estão com parte da produção de medicamentos paralisada devido à falta de insumos e dificuldades no escoamento.

Ambas, no entanto, preferem manter silêncio sobre o assunto, que foi abordado em uma reportagem exibida pelo Jornal Nacional na noite desta segunda-feira (28).

PublicidadePublicidade

Os prejuízos já são calculados pelo Sindicato das Indústrias Farmacêuticas no Estado de Goiás (Sindifargo).

“Faltam matérias-primas para a produção de medicamentos, embalagens e até uniformes descartáveis, que vêm de São Paulo e estão presos nos bloqueios. Nesse período, perdemos R$ 500 milhões em vendas e acumulamos R$ 100 milhões em prejuízos, que são itens jogados fora, salários e energia que pagam sem que as fábricas estejam funcionando”, contou o presidente do sindicato, Marçal Henrique Soares.

Para assistir a reportagem em vídeo, e na íntegra, clique aqui.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.