PublicidadePublicidade

Homem negro é espancado até a morte após desentendimento com funcionária do Carrefour

Registrado em Porto Alegre, o crime ocorreu às vésperas da data mais simbólica contra o racismo no país

Rafaella Soares Rafaella Soares -

Homem negro, João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado até morte por dois brancos, na noite desta quinta-feira (19), em uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Ocorrido na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado nesta sexta-feira (20), o caso já é um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, principalmente no Twitter.

Toda a ação violenta foi gravada e já está circulando pela internet, causando extrema indignação nos usuários. Veja:

Ao G1, a brigada militar do Rio Grande do Sul informou que o espancamento teve início depois que a vítima teria se desentendido com uma funcionária do Carrefour, que acionou a segurança.

O caso, inicialmente, está sendo tratado pela investigação como homicídio qualificado.

Os dois suspeitos do crime, de 24 e 30 anos, foram presos em flagrante. Um é segurança da loja e está detido em um prédio da Polícia Civil. O outro é um policial, que não estava de serviço e foi levado para um presídio militar.

Em nota, o Carrefour lamentou a morte de João e afirmou que iniciou uma apuração interna. Chamou também a agressão de ato criminoso e alega que vai romper o contrato com a terceirizada que responde pela vigilância do local.

Outras polêmicas

Não é a primeira fez que o Carrefour é palco de escândalos. Em agosto deste ano, o hipermercado também foi fortemente criticado após o representante de vendas Moisés Santos morrer dentro de uma unidade, no Recife.

Na ocasião, viralizou uma imagem que mostrava o corpo do trabalhador coberto por guarda-sóis e cercado por caixas, tapumes e engradados de cerveja, enquanto o estabelecimento continuava funcionando normalmente.

Este episódio também trouxe à tona a cadela Manchinha, que era alimentada por clientes e funcionários do hipermercado de Osasco (SP) e foi morta a pauladas por um segurança, em dezembro de 2018.

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP), poucos meses depois, firmou até um termo de compromisso com o Carrefour e o município de Osasco para pagar uma quantia de R$ 1 milhão em função dos maus-tratos.

https://portal6.com.br/2020/08/19/morte-de-funcionario-no-carrefour-causa-indignacao-coletiva-apos-hipermercado-cobrir-o-corpo-e-continuar-aberto/

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade