PublicidadePublicidade

PC de Anápolis investiga circunstâncias em que homem quase foi morto por dívida de R$ 10

Da Redação Da Redação -
PublicidadePublicidade

É grave e estável o quadro clínico do morador do bairro Paraíso, de 50 anos, que precisou ser socorrido e levado para o Hospital de Urgências de Anápolis Dr. Henrique Santillo (HUANA) após ser alvo de uma tentativa de homicídio.

A informação foi confirmada ao Portal 6 pela unidade, que emitiu boletim médico sobre o paciente no final da manhã desta quarta-feira (06).

Ele foi vítima de chutes e capacetadas depois de se envolver em uma briga no réveillon. O caso, porém, só foi denunciado às autoridades policiais na segunda-feira (04).

PublicidadePublicidade

O principal suspeito da ação violenta, que não teve a identidade revelada, esteve na terça (05) no 2º DP junto com um advogado para se apresentar. Ele não ficou detido, uma vez que já terminou o período do flagrante.

O caso

Responsável pelas investigações, o delegado Danilo Félix de Mattos contou à reportagem que a tentativa de homicídio ocorreu durante um desentendimento de bar entre os dois.

“Houve por parte da vítima um desentendimento motivado por uma aposta de um jogo de sinuca, com o valor irrisório de R$ 10. O autor dos fatos teria desfeito a aposta e ido embora, mas a vítima, tendo sucesso, entendeu ter direito dos R$ 10 e foi na casa do autor cobrar”, explicou.

“Na casa do autor, só encontrou os familiares e, ao que consta, teria cobrado esses familiares. Um familiar teria efetuado o pagamento para não criar confusão e o autor ficou insatisfeito e foi tirar satisfação. A gente ainda está apurando a briga, mas a vítima teria sido agredida com chutes e capacetadas”, acrescentou.

De acordo com o delegado, o homem agredido precisou ser intubado e colocado em coma induzido. Os médicos ainda estariam tentando acordá-lo para saber a profundidade das lesões, mas sem sucesso.

“Ainda estamos ouvindo algumas pessoas, mas acredito que em uma semana devemos terminar ou chegar perto de uma conclusão do caso”, disse o investigador.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade