PublicidadePublicidade

Mensagem de mãe dizendo que amava filha antes de ir para UTI e morrer de Covid comove as redes sociais

Avatar Gabriella Licia -
Giulia e irmã de 22 anos (Foto: Reprodução)

A Covid-19 tem causado estragos irreversíveis em todo o mundo há mais de um ano, e nesta semana foi divulgado um outro emocionante caso de uma mãe de 42 anos que faleceu em decorrência da doença e deixou três filhas órfãs, no Rio Grande do Sul,

Valéria Zadorozny era dona de uma sorveteria e, por ser diabética e asmática, tomava todos os cuidados possíveis para se proteger.

Mas não foi o suficiente. A comerciante acabou contraindo o novo coronavírus e, em menos de duas semanas, teve diversas complicações físicas e acabou não resistindo.

PublicidadePublicidade

A filha da mulher, Giulia de 23 anos, publicou no perfil do Twitter uma captura de tela da última conversa que teve com a mãe. Nela, a genitora dizia que iria para a UTI, apesar de não ter nenhuma disponível, mas que amava demais a família.

“Essa foi a última mensagem que tive da minha mãe (…) Usem máscara, não saiam se não for necessário, por favor”, escreveu a jovem junto da foto.

A hipótese mais acreditada é que a comerciante tenha sido contaminada na sorveteria pelos clientes resistentes ao uso de máscara.

De acordo com Giulia, Valéria começou a ter os primeiros sintomas de Covid-19 no dia 14 de fevereiro. Tudo começou com uma tosse forte, depois veio a confirmação.

“Os hospitais estavam cheios. Então, os profissionais de saúde viam alguma melhora nela e a liberavam para que outra pessoa pudesse ser atendida também”, relembrou a jovem, em entrevista à BBC.

Depois do dia 20, ela teve piora no quadro clínico. Com os pulmões severamente comprometidos, foi necessário levá-la para a ala emergencial.

“Ela sempre mandava mensagens para a gente porque podia ficar com o celular enquanto estava internada. Porém, ninguém podia visitá-la, só o meu pai que podia ir para levar algo que ela precisasse”, afirmou Giulia.

“Ela precisava de um leito de UTI. Ligamos para hospitais, até do litoral, inclusive particulares, e nada. Havia um leito em um hospital de Santa Maria, mas era a cinco horas de viagem e os médicos avisaram que ela não aguentaria o trajeto”, lamentou a filha.

No post feito no Twitter, Giulia e as irmãs de 22 e 08 anos receberam apoio de inúmeros internautas, que se solidarizaram e se emocionaram com o caso.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade