PublicidadePublicidade

VIGIMED! Todos devem saber do que se trata

José Fernandes José Fernandes -
(Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

O objetivo deste artigo é chamar a atenção para novas variantes do coronavírus, para o ritmo da vacinação, para opiniões de especialistas sobre vacinação em tempos de pandemia, e principalmente para orientar a toda população sobre como reportar os eventos adversos pós vacinação, a fim de fornecer dados para a construção de políticas públicas eficientes.

Os diversos alertas sobre as novas variantes da Covid-19 têm se tornado uma preocupação mundial novamente, tendo em vista que as vacinas podem não ser tão eficazes contra as virulências do coronavírus. Será que estamos, como população anapolina e goiana, preocupados com essa onda?

Em Israel, o número de casos aumentou drasticamente após a identificação da variante Delta, mesmo com 60% da população já vacinada. A eficácia da vacina Pfizer caiu de 94% para 64%, provocando o aumento de contaminados. Autoridades israelenses estão discutindo a possibilidade de aplicação da terceira dose frente a essa realidade. No Reino Unido, já estão com essa estratégia para as pessoas transplantadas.

PublicidadePublicidade

Resultados preliminares de um estudo científico espanhol, apontaram que aplicar uma dose da Pfizer em pessoas que já receberam a vacina da AstraZeneca é altamente seguro e eficaz inclusive no combate às variantes. Nessa lógica, Canadá, Espanha e Coréia do Sul, já se manifestaram e começaram os testes em profissionais de saúde. A motivação coreana foi devido o atraso na entrega de novas doses prometidas pelo consórcio global Covax.

Enquanto isso, aqui no Brasil batemos há dois dias o recorde de 3,3 milhões de doses aplicadas em 24h (10% do que foi aplicado em todo o mundo), atingindo assim a marca de 40% da população brasileira vacinada com a primeira dose. Hoje, o Brasil é o 5º país que mais vacina no mundo. Anápolis e Goiás, mais da metade da população apta já foram vacinadas com ao menos uma dose.

Boas notícias com o progresso significativo de imunização coletiva, mas devemos ficar alertas com as novas variantes. Letras do alfabeto grego: ALFA, BETA, DELTA e agora no Peru foi identificado outra variante, nomeada de LAMBDA, que tem assustado todo o continente americano e já está presente em mais de 30 países.

O virologista francês e ganhador do Prêmio Nobel de Medicina, Luc Montagnier, descreveu a vacinação em massa contra Covid-19 como erro histórico “impensável” que “criará novas variantes” e sustenta que ocasionará mais mortes. Foi rebatido por vários da comunidade científica e teve sua afirmação “deletada” das principais redes sociais.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), uma agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, na última quarta-feira (07) realizou uma audiência com vários especialistas, que divergiram mais uma vez sobre a segurança de recomendar a vacinação em tempos de pandemia, principalmente a crianças e adolescentes.

Afirmaram: “vários eventos adversos graves relatados após a vacinação”; “revejam os riscos dessa vacinação para todas as idades”.

Essas discussões, têm sido alimentadas por dados reportados pela população americana através dos sites como: VAERS e NVIC, e positivamente servindo como alicerce para o governo americano criar suas políticas de enfrentamento à pandemia. Só nos EUA, são mais de 9 mil mortes pós aplicação da vacina. Desde março deste ano, já são mais de 300 crianças e adolescentes entre 12 e 18 anos, que morreram após a aplicação do imunizante da Pfizer ou Moderna. Números que seguramente estão subnotificados.

E no Brasil? Temos o VIGIMED, que é o sistema disponibilizado pela Anvisa para cidadãos, profissionais de saúde, detentores de registro de medicamentos e patrocinadores de estudos relatarem as suspeita de eventos adversos aos medicamentos e às vacina. É de suma importância divulgarmos essa informação e mais ainda, orientar a quem eventualmente não tenha acesso a esse canal de comunicação.

Em Anápolis inclusive já tivemos morte confirmada pós vacina Covid-19.

Atenção, Não somos contra vacinas!!! Inclusive, já estou vacinado com as duas doses há meses. Mas como ideia central desse artigo, apelamos para que todos reportem eventos adversos através da ferramenta VIGIMED para notificação e, como dito no primeiro parágrafo, fornecendo dados para construção de políticas públicas eficientes.

José Fernandes é médico (ortopedista e legista) e bacharel em direito. Atualmente vereador em Anápolis pelo PSB. Escreve todas às sextas-feiras. Siga-o no Instagram.

As ideias e opiniões expressas no artigo são de exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, as visões do Portal 6.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade