PublicidadePublicidade

“Nenhuma vítima deve deixar de denunciar”, reforça delegada sobre caso do ginecologista Nicodemos Júnior

Muitas mulheres estão desencorajadas, mas é importante que elas procurem a DEAM para que os casos não fiquem impunes. A Polícia Civil possui rede de proteção às vítimas e a OAB lembra que nenhuma mulher está sozinha

Augusto Araújo -
“Nenhuma vítima deve deixar de denunciar”, reforça delegada sobre caso do ginecologista Nicodemos Júnior
Delegada Isabella Joy, Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher de Anápolis. (Foto: Reprodução/Jornal Nacional)

O caso de Nicodemos Júnior, médico ginecologista e obstetra que foi preso suspeito de crimes sexuais em Anápolis, ganhou uma nova página.

Foi reportado que muitas vítimas teriam entrado em contato com a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM), afirmando estarem com medo de realizarem a denúncia e acabarem sendo processadas pelo médico.

Em entrevista ao Portal 6, a delegada Isabella Joy, titular da DEAM que comanda a investigação, garantiu que as vítimas de casos de assédio ou estupro possuem proteção jurídica total.

“Processos de crimes contra a dignidade sexual é sigiloso. A vitima não vai ser exposta de forma alguma, pois o processo tramita em segredo de justiça”, explicou.

Além disso, a investigadora complementou que a Polícia Civil possui uma equipe de atendimento psicológico, para que as vítimas possam tratar dessa experiência traumática.

“Nenhuma vítima deve deixar de procurar a delegacia, porque nós estamos lá pra ajudar”, concluiu a delegada.

Presidente da OAB Mulher de Anápolis, a advogada Tatiane Ferreira, expõe que é comum em casos de violência sexual o agressor tentar se passar por vítima, manipulando a situação para que as verdadeiras vítimas se sintam culpadas.

“Em alguns casos, o agressor se antecipa ao rito processual, denunciando a vítima por difamação, injúria ou calúnia. Isso causa medo nas pessoas, por não terem conhecimento jurídico. Ele manipula a mulher, para que ela assuma o papel de agressora”, exemplificou.

Contudo, a advogada estimula as vítimas a realizarem a denúncia na delegacia, pois haverá uma investigação para comprovar a veracidade da acusação.

“A vítima tem que procurar a polícia. Quando ela faz a denúncia, ela protege a si e todas à sua volta”, reforça a defensora.

Tatiane Ferreira, presidente da OAB Mulher Anápolis. (Foto: Arquivo Pessoal)

Panorama

De acordo com a delegada Isabella Joy, a DEAM de Anápolis já recebeu 49 denúncias contra o ginecologista até o início da tarde deste sábado (02).

“Também temos provas que o crime ocorreu, o juiz decidiu por manter a prisão dele. Está comprovado que ele cometeu diversos crimes e ele tem que pagar pelo que fez”.

A investigadora, mais uma vez, reforça a importância das denúncias para o decorrer do caso. “A cada vítima nós temos um novo crime, uma nova pena. Ele irá responder por todos os crimes que ele cometeu. Muitas vítimas estão desencorajadas, mas é importante que elas continuem denunciando”, finalizou.

Não se cale!

Qualquer vítima que precise recorrer à DEAM pode entrar em contato pelos números:

(62) 3328-2731 – telefone fixo

(62) 9 8531-0086 – WhatsApp

198 – Disque Denúncia 198, canal que garante o anonimato

A Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher fica na Rua Dez de Março, nº 257, Setor Central, ao lado da Central de Flagrantes de Anápolis.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade