Os táxis estão ou não aproveitando os problemas da Uber e 99 para reerguer categoria?

Portal 6 conversou com diretores de corporativas de Goiânia e Anápolis para entender como eles estão se organizando em meio à crise dos concorrentes

Augusto Araújo -
Imagem de táxis em Goiânia. (Foto: Reprodução)

A demora para atendimento, motoristas que cancelam a viagem e o recorrente preço dinâmico nas alturas cobrado pelo deslocamento são alguns dos motivos que estão gerando uma espécie de sinal de alerta em passageiros que utilizam transporte por aplicativo.

Enquanto cooperativas de táxis de Goiânia  se organizam desenvolvendo tecnologia própria com sistema semelhante de tarifação, a categoria em Anápolis deu um passo atrás.

É possível adiantar que a percepção das empresas de táxi é de que houve um aumento no volume da demanda no segundo semestre de 2021. E não seria para menos, uma vez que simulações apontam valores até mais em conta quando se busca o tradicional serviço (veja abaixo).

“Entre agosto e novembro, fizemos um levantamento e percebemos que houve 20% a mais de demanda, em relação aos meses anteriores”, explicou Alexandre Barra, diretor da Taxi Araguaia, em entrevista ao Portal 6.

Já Reginaldo Oliveira, um dos diretores da Rádio Táxi Anápolis, lembra que até chegou a ser implementado um app no município antes da pandemia, mas não houve a esperada migração de clientela e ele foi descontinuado.

Ainda assim, o profissional sustenta o entendimento que há uma retomada no aumento do volume das corridas.  “A gente percebe que a principal reclamação é sobre o cancelamento de corridas [aplicativos]. No táxi não tem isso, a gente não cancela”.

Carlos Eduardo, diretor da Coopertáxi, outra empresa que atua na capital há 25 anos, destaca como vantagem as regulamentações que os taxistas devem seguir para atender os clientes.

“O valor do transporte não oscila de acordo com o horário, não tem valor dinâmico. Ele segue a tarifa que é estabelecida pela prefeitura, o preço é sempre o mesmo”.

Comparando valores

O Portal 6 fez simulações de viagens nos apps Uber e 99 com os aplicativos das coorporativas de táxi para observar possíveis diferenças nos valores.

Para sair do Jardim Goiás à Praça Cívica, perto das 18h, a viagem na Uber custou R$21, enquanto na 99 estava R$20,70.

No aplicativo da Coopertaxi, o preço estimado foi  de R$17,62 para a mesma corrida.

Já o app da Táxi Araguaia estimou um valor entre R$15,89 e R$ 19,07 para o trajeto.

Diferencial

Para concorrer com as empresas de transporte por aplicativo, as cooperativas de táxi em Goiânia também lançaram os próprios APP’s, oferecendo algumas vantagens para o usuário.

Disponíveis online, as plataformas passaram a oferecer o mesmo modelo de visualização da trajetória do transporte, compartilhamento de corrida, assim como fazem um cálculo do valor estimado que será pago ao final da viagem.

“A diferença é que não tem bloqueio de conta, motoristas que demoram a responder ou cancelamento. Se acontecer de um taxista precisar cancelar, outro veículo da frota é enviado imediatamente”, detalhou Carlos Eduardo.

Ele também destacou que não há cobrança de taxas por cancelamento ao cliente. O usuário também não corre risco de sofrer com bloqueio de conta, o que pode ocorrer em casos de não pagamento da viagem.

“O taxista aceita PIX, dinheiro, roda com a própria máquina de cartão, todos os tipos de pagamento”, complementou o diretor da Coopertáxi.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.