Abandono de animais dobra em Anápolis e casos de maus-tratos estão cada vez mais cruéis

'Recebemos diariamente casos de animais presos em correntes, sob sol e chuva, sem alimentação, machucados e abandonados', afirmou Seliane Santos, presidente da SOS

Lucas Tavares -
Animal solto na rua no Jardim Primavera, bairro da região Leste de Anápolis. (Foto: Divulgação/SOS Animais)

Um triste fato está se tornado cada vez mais habitual em Anápolis: o abandono de animais. Junto a isso, os relatos de ocorrências envolvendo maus-tratos chocam por tamanha crueldade e frieza.

Na cidade, diversas Organizações Não Governamentais (ONGs) atuam como podem para mudar essa realidade e reduzir esses índices.

Acontece que, sem aporte do Poder Público, sem leis punitivas rigorosas e sem apoio da população, essa tarefa fica complicada.

A Associação Protetora e Amiga dos Animais (ASPAAN), por exemplo, revelou ao Portal 6 que resgatava cerca de 10 cães por mês em 2021, mas já chega a salvar 20 por mês em 2022.

“Toda semana a gente recebe ligações para o resgate. O caso mais comum é deixar o animal privado de condições de higiene, de água e de comida”, afirmou a fundadora da ASPAAN, Thaís Souza.

“Ontem a gente recebeu uma denúncia de um animal que foi esfaqueado no Santa Maria de Nazareth. Envenenamento também tem acontecido muito. São os mais variados tipos de maus-tratos na cidade”, continuou.

A presidente da SOS Animais, Seliane Santos, conta que o número de resgates na ONG também dobrou de um ano para o outro, mas que, mesmo com tanto esforço, ainda não é suficiente para ajudar todos que precisam.

“Recebemos diariamente casos de animais presos em correntes, sob sol e chuva, magros por falta de alimentação, machucados e abandonados. Temos uma realidade muito triste na nossa cidade”, lamentou.

Além de cães e gatos, Seliane relata que o número de equinos, como éguas e cavalos, e até de coelhos, em situação degradante também aumentou.

“Infelizmente, diante da Lei, muitas denúncias não são caracterizadas como maus-tratos e sim como negligência do responsável”, concluiu.

Adoção em baixa

Assim como a ASPAAN e a SOS Animais, a ONG Patas Solidárias enfrenta uma superlotação que ocorre principalmente pelo baixo interesse da população em adotar os animais.

“Não tem adoção. Em Anápolis ninguém quer adotar vira-lata, as pessoas só querem cachorro de raça. Em outros locais, as pessoas parecem ter mais consciência, aqui é a coisa mais difícil do planeta”, desabafou a presidente da Patas Solidárias, Maria de Fátima Batista.

De acordo com ela, a equipe faz tudo que pode para resgatar os bichinhos, mas que nada vai mudar enquanto não tiver uma punição severa para quem maltrata ou abandona.

“Existem programas de castração social e gratuita na cidade, mas deixam as cachorras emprenharem, e jogam fora. Em vez da gente receber ajuda das pessoas, a gente recebe mais cachorro”, concluiu.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.