Situação em Tchernóbil é anormal e muito perigosa, diz ONU

Reatores que explodiram contaminam a região e espalham radiação pela Europa

Folhapress -
(Foto: EPA/ROMAN PILIPEY/ Agência Brasil)

O argentino Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, ligada à ONU, disse que a situação na usina nuclear desativada de Tchernóbil é “absolutamente anormal e muito, muito perigosa”.

Ele lidera uma missão à usina, que foi ocupada durante semanas pelos russos e depois abandonada, para avaliar os danos à segurança do lugar, palco de um dos maiores acidentes nucleares da história.

Em 1986, um dos reatores de lá explodiu, contaminando muito a região e espalhando radiação pela Europa. Há relatos de que os russos cavaram trincheiras em solo radioativo, entre outros problemas como falta de energia para sistemas de segurança que mantém o núcleo derretido do reator sob controle.

“Nós trouxemos equipamentos e vamos restaurar os sistemas de monitoramento de salvaguardas”, disse Grossi.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.