Ucrânia diz ter exército com 1 milhão de membros para retomar sul conquistado pela Rússia

Presidente afirma que a prioridade é retomar áreas ocupadas ao redor da costa do mar Negro, vitais para a economia do país

Folhapress -
(Foto: Flickr)

A Ucrânia tem dado cada vez mais sinais de que pretende iniciar uma contraofensiva no sul de seu território, área hoje majoritariamente controlada pela Rússia. O aviso mais recente veio neste fim de semana por meio do ministro da Defesa Oleksii Reznikov: “Temos cerca de 1 milhão de homens para defender o sul”.

A fala, em entrevista ao jornal britânico The Times, foi interpretada com ceticismo por analistas militares, mas vem na esteira de outras declarações que pedem aos residentes da região que partam dali, citando que contra-ataques são iminentes.

Kherson, uma das principais cidades portuárias do país, foi a primeira a cair sob o controle de Moscou, ainda no início do conflito, no final de fevereiro. Reznikov alega que, com ordens do presidente Volodimir Zelenski, a prioridade é retomar áreas ocupadas ao redor da costa do mar Negro, vitais para a economia ucraniana.

“O presidente deu ordem ao chefe militar para elaborar planos e, depois disso, o Estado-Maior está fazendo sua lição de casa”, afirmou. Ele disse estar entrando em contato com homólogos de outros países para explicar o objetivo e pedir, é claro, o envio de mais armamentos.

O ceticismo de analistas militares, no entanto, sustenta-se em dois motivos principais. Primeiro, o fato de que seria incomum um dos lados da guerra falar reiteradamente em ações pontuais de contraofensiva, uma vez que isso daria tempo para a reorganização dos oponentes.

“O normal seria querer que o lançamento de um contra-ataque fosse surpresa”, disse à rede BBC Jack Watling, pesquisador do think tank Royal United Services Institute. “Anunciar isso publicamente força os russos a comprometer mais recursos para conter essa ameaça.”

Outro fator são os esforços que Kiev tem despendido no leste do território, na porção conhecida como Donbass, onde os ataques estão concentrados. A necessidade de forças deslocadas ao leste faz os números apresentados pelo ministro da Defesa parecerem inflados para uma contraofensiva no sul.

O titular da pasta, porém, apelou à matemática. “Temos aproximadamente 700 mil [homens] nas Forças Armadas; adicionados à Guarda Nacional, à guarda da fronteira e à polícia, somos cerca de 1 milhão”, disse Rezniko ao Times.

Para resistir à invasão russa, as forças ucranianas têm se apoiado em ativistas e voluntários, alguns dos quais treinados por membros do Batalhão Azov, grupo neonazista parcialmente incorporado ao Exército meses antes da guerra. São vários os casos de combatentes do exterior que se ofereceram para ajudar o país -brasileiros chegaram a morrer no front.

O país chegou a criar uma unidade militar para abrigar voluntários estrangeiros, conhecida como Legião Internacional de Defesa da Ucrânia, que possibilita fazer um cadastro online. Damien Magrou, porta-voz da unidade, alertou nesta segunda (11) para a desvantagem do país em relação à Rússia.

Segundo disse à agência Reuters, na comparação entre as artilharias de Moscou e de Kiev a proporção é de oito para um.

Do lado russo também há um desafio nesse sentido. A inteligência ucraniana, de acordo com relatório do Instituto para o Estudo da Guerra, um think tank baseado nos EUA, afirma que Moscou tem recorrido com frequência a empresas militares privadas para aumentar o número de recrutas e compensar perdas de pessoal na guerra.

O principal caso é o Grupo Wagner, sobre o qual o governo de Vladimir Putin nega ter conhecimento.

A inteligência ucraniana diz que o grupo tem recrutado prisioneiros russos, independentemente da natureza dos crimes que tenham cometido, e oferecido anistia de suas penas em troca do serviço militar.​

O mapa do controle russo no território ucraniano permite observar uma faixa que se estende do noroeste ao sul do país. Ponto importante seria a tomada de Kharkiv, a segunda maior do país, localizada a norte do Donbass. Autoridades locais disseram que a cidade foi atingida por mísseis de Moscou nesta segunda, deixando três civis mortos e outros 31 feridos, incluindo duas crianças.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.