PublicidadePublicidade

Costureira de Anápolis consegue vencer a Hering na Justiça pela segunda vez

Detalhe percebido em uma das provas analisadas por magistrado fez com que os colegas dele votassem de maneira unânime

Denilson Boaventura Denilson Boaventura -

A 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região manteve a sentença de primeiro grau que responsabilizou uma subsidiária da Hering por obrigações trabalhistas ignoradas por uma empresa terceirizada.

Por mais de quatro anos, a vítima que entrou na Justiça atuou como costureira na facção AM da Veiga.

Em 1ª instância, a 4ª Vara do Trabalho de Anápolis indicou que “havia fortes indícios” de que a empresa só existia por conta da relação comercial com a marca.

Inconformada, a Hering recorreu em segunda instância alegando que a relação comercial que a companhia mantém com empresas terceirizadas “não revelam qualquer gestão, ingerência ou fraude” nas mesmas.

Ao analisar o recurso, o relator do processo, desembargador Mário Bottazzo, destacou que a prova documental apresentada pela própria facção revelou que a marca intervinha nos processos de decisão e contratação da AM da Veiga.

Devido a esse detalhe, o magistrado não acolheu o recurso da Hering e o voto dele foi acompanhado de maneira unânime pelos demais integrantes da turma.

Caso queira, a companhia ainda pode levar o caso ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). O Portal 6 não conseguiu contatar a vítima para comentar o episódio.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade