PublicidadePublicidade

Briga de trânsito, luta corporal e delegacia: os detalhes da confusão na feira da marreta

Tudo começou por conta de uma “fechada” no Centro de Anápolis e quase terminou em morte, não fosse chegada da polícia

Da Redação Da Redação -
(Foto: Gabriella Lícia)

A Polícia Militar de Anápolis teve de se deslocar até a Feira da Marreta, que fica na Avenida Marginal Ayrton Senna, nesta quarta-feira (02), para acabar com uma confusão complexa e cheia de versões.

Tudo começou quando uma moto e um FIAT UNO se fecharam na Rua 7 de Setembro, Centro da cidade, e os condutores perseguiram um ao outro enquanto discutiam sobre quem estava errado.

Em depoimento, o condutor da moto, de 19 anos, afirma que foi fechado pelo carro e precisou correr para a loja do pai, nas proximidades da Feira da Marreta, para pedir socorro. Isso porque o motorista do veículo estaria tentando derrubá-lo.

PublicidadePublicidade

Havia no carro quatro ocupantes e três deles teriam descido fazendo ameaças e começado a agredir o motociclista com socos e pontapés. Neste momento é que o pai teria visto toda a cena e entrado na briga para afastar o filho das agressões.

Já o motorista do carro sustenta que foi cortado pela esquerda pela motocicleta e o rapaz que a pilotava teria parado ao lado, mostrado o dedo do meio e perguntado se o veículo não tinha seta.

Depois teria começado a seguir o carro e tentado acertá-lo com pedras. Foi quando uma discussão mais acalorada teria começado e o pai do motociclista aparecido com uma marreta para fazer ameaças, enquanto o filho usava uma chave de fenda para danificar o carro.

feira da marreta

(Foto: Reprodução)

Quando os militares chegaram, todos os envolvidos já estavam com lesões pelo corpo. Por isso, tiveram de ser levados à delegacia e cada um responderá por crimes diferentes.

O motociclista foi autuado por lesão corporal dolosa, ameaça e dano. O pai dele e o motorista do carro por lesão corporal e ameaça.

Já os dois ocupantes do veículo que se envolveram na briga responderão por lesão corporal dolosa.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade