PublicidadePublicidade

Velório “diferente” chama atenção do mundo devido a exagero da família

Cortejo com o defunto também não pôde entrar na igreja onde ocorreria o velório

Gabriella Licia Gabriella Licia -
NINTCHDBPICT000623410569
Che Lewis, 29 anos, em seu velório, embalsamado ao extremo

Um dos assuntos mais comentados na internet na última semana, por mais estranho que pareça, é o vídeo de um funeral bem peculiar que aconteceu no dia 25 de novembro, na cidade de Diego Martin, em Trinidad e Tobago.

É que Che Lewis, de 29 anos, e o pai dele, de 54, foram assassinados a tiros na sala de casa. A família, mesmo assustada com a situação, decidiu transformar o momento da despedida em uma ocasião única.

O genitor foi preparado normalmente para o velório, mas os parentes de Che Lewis pediram à funerária que o corpo dele passasse por um processo radical de embalsamamento, de forma que ficasse sentado.

Nas imagens que circulam pelas redes sociais mostram, inclusive, o cadáver do rapaz em uma cadeira, à caminho do local da solenidade fúnebre.

Todo o processo para embalsar Che Lewis demorou cerca de três dias e custou duas mil libras.

A igreja preparada para a despedida, porém, não permitiu que o corpo ficasse dentro do tempo fora de um caixão. Por isso, ele foi deixado do lado de fora para “recepcionar” os participantes.

Muitas pessoas nem o reconheceram e algumas senhoras, de acordo com o jornal The Sun, ainda criticaram o fato de ele não estar utilizando máscara, devido à pandemia.

Veja o vídeo feito por familiares de Che embalsamado:

A indignação entre os líderes religiosos foi tanta que os padres da região decidiram que, a partir de agora, todos os velórios deverão ser bem explicados antes da cerimônia, para evitar que situações como essa se repitam.

Um policial identificado como Brent Batson ainda afirmou ao jornal Trinidad Express que ficou decepcionado com o comportamento “imprudente” da funerária responsável pelo trabalho.

“Carregar pessoas de maneira perigosa é um crime com uma multa de 750 libras e a polícia continuará a investigação sobre a conduta da agência funerária na estrada”, finalizou.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade