Estados pedem a Queiroga que reduza prazo de reforço da vacina por causa da ômicron

Surgimento da ômicron foi definida pela OMS como variante de preocupação

Folhapress -
Estados querem que o prazo para a terceira dose seja de quatro meses. (Foto: Antônio Lima /ACRÍTICA)

Os secretários estaduais de saúde pediram uma reunião com o ministro Marcelo Queiroga, da Saúde, para discutir a redução do intervalo de aplicação da dose de reforço da vacina contra a Covid-19.

Num primeiro momento, o prazo foi fixado em seis meses. Depois, Queiroga anunciou a redução para cinco meses. Agora, os estados querem que o prazo seja ainda mais curto: quatro meses.

A Prefeitura de São Paulo, por exemplo, já enviou um documento pedindo a redução, como antecipou a coluna.
“Sabemos que, depois de quatro meses, as vacinas começam a perder a eficácia”, afirma Carlos Lula, secretário de Saúde do Maranhão e presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde).

PublicidadePublicidade

“A ideia, com a redução do prazo, é conter o recrudescimento de casos de Covid-19 no Brasil, para que não ocorra aqui o que estamos vendo acontecer na Europa”, segue ele.

O surgimento da ômicron, que causou tensão no mundo todo e foi definida pela OMS (Organização Mundial de Saúde) como variante de preocupação, reforçou “a certeza de que precisamos fazer isso [aplicar as doses de reforço em um prazo menor]”, diz Carlos Lula.

No Brasil, 76,8% da população já tomou ao menos uma dose da vacina, 63% já estão com o primeiro ciclo vacinal completo (de duas doses ou dose única) e 7,9% tomaram a dose de reforço.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.