O preço da autenticidade

Ser você mesmo não é fácil, sustentar sua autenticidade tem seu preço. Muitas pessoas interpretam como arrogância e soberba várias atitudes que tomamos pra preservarmos nossa individualidade, nosso espaço e saúde emocional.

Quando percebem que você se libertou de muitos conceitos errôneos e vontades alheias impostas que te faziam sofrer, muitos não se conformam em te ver sem algemas, então criam uma resistência, oprimindo e subjugando, querendo incutir culpa pra fragilizar o emocional e fazê-lo ceder às opiniões e pressões alheias se utilizando de julgamentos rasos e demagogos; pessoas assim são egoístas, desprovidas de verdade e sinceridade, não se incomode com elas.

Somente nós sabemos o tamanho da pedra no nosso sapato e o tempo que aquilo ficou ali incomodando, machucando, impedindo de caminhar e desfrutar da singeleza da vida. Muitos com padrões e conceitos alienados detestam ver você se libertar disso enquanto o outro ainda é “escravo”, fazem guerra e terrorismo por pensar diferente de você e isso acaba se tornando um transtorno.

Pessoas que realmente se preocupam com você, que gostam de você e que te amam de verdade, podem até não te entender, nem compreender, mas irá respeitar suas decisões sem jamais impor ou controlar o que você pensa ou a forma que deve agir. Todos nós somos indivíduos e temos livre escolha pra tomar nossas decisões, tanto quanto aqueles que insistem em ficar monitorando nossa vida.

A frieza das pessoas uma com as outras tem aumentado cada dia mais, está tenebroso. Já percebeu quantas pessoas ficam na torcida pra ver a vida alheia ir de mal a pior? Aquilo que não querem pra si desejam ardentemente para o outro, só pelo prazer da maldade pela maldade. Já percebeu como muitos se tornaram demagogos, se utilizando de chavões pra ensinar as pessoas a pegar um caminho no qual o fim dele é pura frustração? Só serve para o outro, pra ele mesmo não. E ai de você se não se sujeitar, você não está exercendo humildade na pretensiosa mentalidade deles – não entenderam ainda o que é ser autêntico pois não são. Hoje em dia isso é normal na era das redes sociais.

Infelizmente muitos não sabem lidar com a liberdade do outro em ser ele mesmo, se sentem agredidos, ressentidos, e sua baixa auto-estima fica evidente. Não querem ser “escravos” sozinhos. Querendo ou não, entendendo ou não, esse é o mundo em que vivemos, com pessoas que lidamos e nos relacionamos, a mudança sempre deverá partir de nós mesmos – e mesmo que interpretem erroneamente, julguem de forma que fique conveniente ou espalhem boatos a seu respeito que não é verdadeiro, jamais deixe de ser você e sua consciência seu norte pra vida.

Não tenha medo de ficar sozinho por causa disso, quem merecer ficar ao teu lado ficará; quem não, azar o dele(a) por ter perdido sua sinceridade, seu carinho e sua gratidão. Pode ter certeza, pessoas que te respeitam de verdade e te aceita em sua autenticidade ficará ao teu lado. Todos nós estamos experimentando as intempéries da vida e sendo arremessados o tempo todo às dificuldades latentes do dia-a-dia, se sujeitar aos achismos dos outros é perca de tempo e de vida. Faça o seguinte: perdoe. Perdoe e siga teu caminho procurando sempre amadurecer por si mesmo, a nunca se desculpe por fazer a coisa certa, interpretem o que quiserem interpretar, isso não é problema seu.

Deniza L. Zucchetti é escritora nas horas vagas e mãe em período integral. Escreve todas as segundas-feiras.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook