PublicidadePublicidade

Manifestação de servidores acabou contaminada pelo PT em Anápolis

Partido sancionou o complemento salarial no governo João Gomes, mas sobrou para Roberto pagar

Carlos Henrique Carlos Henrique -

A instrumentalização de sindicatos e movimentos sociais pelo PT é uma realidade persistente em Anápolis.

Prova disso é que a manifestação de servidores públicos municipais na manhã desta terça-feira (20) contou com a presença de políticos do partido – como os vereadores Geli Sanches e Antônio Gomide, também ex-prefeito da cidade (2009-2014) e deputado estadual eleito.

Os servidores cobram o início do pagamento da chamada ‘titularidade’, um complemento salarial a ser dado sobretudo para quem ingressou nos quadros da Prefeitura em concurso público de nível médio, mas que fez curso superior (ainda que não seja na mesma área) posteriormente.

PublicidadePublicidade

(Foto: Reprodução)

O benefício foi aprovado nos últimos meses do governo João Gomes (ex-PT) para ser pago no mandato seguinte, por quem ganhasse as eleições.

Em entrevista ao Portal 6, o prefeito Roberto Naves (PTB) alegou que o Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás (TCM-GO) pediu que fosse feito um estudo de  impacto financeiro para saber se a Prefeitura tinha condições de arcar com mais essa despesa.

Esse estudo ficou pronto recentemente e apresentou um gasto extra de R$ 1 milhão na folha de pagamento, uma cifra “suportável” para os cofres públicos, segundo o mandatário. No entanto, conforme o secretário Municipal da Fazenda Geraldo Lino, o pagamento da titularidade ocorrerá, mas depende de variáveis legais.

Quando aprovada em 2016, essa lei não mensurou os impactos financeiros nas contas da Prefeitura e do Instituto de Seguridade Social dos Servidores Municipais de Anápolis (ISSA).

Por conta desse detalhe crucial, o dispositivo legal sancionado por João Gomes pode ser contestado pelo próprio TCM ou Ministério Público de Contas.

A gestão Roberto Naves, que diz ter a intenção de pagar o benefício, espera ficar abaixo do limite prudencial a partir de janeiro.

Com isso, mandaria outro projeto de Lei para a Câmara Municipal com a previsão de gastos que não houve em 2016 e a titularidade começaria a ser definitivamente paga assim que o texto voltasse para a sanção do Executivo. O que, pelo trâmites do legislativo local, ocorreria em março.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade