PublicidadePublicidade

Policiais relatam ter disparado cerca de 125 vezes contra Lázaro Barbosa

Informação sobre a quantidade consta no boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil

Folhapress Folhapress -
(Foto: Reprodução)

MARCELO ROCHA
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Os policiais que participaram da captura de Lázaro Barbosa de Sousa, 32, conhecido como “serial killer do DF”, relataram ter disparado cerca de 125 vezes contra o criminoso. Além de pistolas, os agentes de segurança usaram um fuzil.

A informação sobre a quantidade de disparos consta no boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil de Águas Lindas de Goiás, no entorno de Brasília. A SSP-GO (Secretaria de Segurança Pública de Goiás) afirmou que ele resistiu à ordem de prisão e atirou contra a polícia.

Lázaro foi levado para um hospital, mas já estava morto quando chegou lá. O corpo apresentava pelo menos 38 perfurações a bala, segundo profissionais da saúde do município. O IML (Instituto Médico Legal) de Goiânia fará o laudo.

PublicidadePublicidade

No domingo (27) à noite, com base em informações de que Lázaro tentaria se encontrar com a ex-companheira e a mãe dela, os policiais montaram uma operação. Eles relatam que o criminoso foi avistado, mas se embrenhou na mata. Cães farejadores conseguiram identificar o rastro.

Também segundo os policiais, Lázaro seguiu o curso de um córrego e se escondeu em grotas durante a madrugada. Ao amanhecer, ele teria feito um novo movimento para tentar deixar o lugar quando as equipes conseguiram se aproximar para prendê-lo.

O secretário de Segurança de Goiás, Rodney Miranda, afirmou que o criminoso portava duas armas, sendo uma delas uma pistola. “Uma pistola .380 que ele descarregou na direção dos policiais”, disse. “Nós o cercamos e ele teve a oportunidade de se entregar, mas não quis.”

A ex-companheira e a mãe dela foram levadas pela polícia para prestar depoimento. A polícia apura a existência de uma rede que teria abrigado Lázaro e o ajudado nas últimas semanas.

De acordo com o chefe da Segurança Pública de Goiás, Lázaro carregava R$ 4.400 no bolso da calça. A quantia seria um indício de que ele provavelmente estaria tentando deixar o estado, segundo as autoridades.

A captura ocorreu após a prisão do dono e de um funcionário de uma fazenda, ambos acusados de ajudar o foragido a se esconder.

Espingardas foram apreendidas no local. Em uma das ocasiões em que Lázaro foi visto, afirmaram os policiais, ele carregava uma delas.

Desde o crime cometido no início deste mês em Ceilândia, cidade satélite de Brasília, ele vinha fugindo ao cerco policial se escondendo em chácaras e mata do cerrado. A polícia informou que ele caminhava dentro dos rios, para dificultar a ação dos cães farejadores.

Durante a fuga, segundo os agentes de segurança, Lázaro cometeu uma série de novos crimes -baleou moradores de uma chácara, fez de reféns em outra, roubou carros e armas. Trocou tiros com um funcionário de uma fazenda e também com policiais.

Uma megaoperação foi montada com o objetivo de capturá-lo, incluindo polícias estaduais de Goiás e do DF, e as polícias Federal e Rodoviária Federal. Foram mobilizados mais de 270 agentes de segurança.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade