PublicidadePublicidade

A dúvida da criança que me impactou: “Não posso estudar?”

José Fernandes José Fernandes -
(Foto: Reprodução)

Terminamos a primeira semana do reinício às aulas presenciais na rede pública de ensino. Fiz questão de visitar parte das escolas e também fiscalizar se estavam obedecendo as orientações de biossegurança estabelecidas por nossas autoridades sanitárias.

Em uma dessas escolas a coordenação me acompanhou em todas as salas de aula me apresentando como vereador do município. Com o sorriso estampado no rosto e olhares brilhando, os alunos interagiam e em coro diziam da alegria de estar de volta às aulas.

Um desses alunos me chamou atenção, ao perguntar: “Não posso estudar? Ele veio fechar a escola?”. Confesso que fui impactado ao ser visto por um aluno tão inocente, como um tirano que impõe a força do Estado, privando a liberdade sem ter qualquer certeza das ações frente ao caos pandêmico. Foi horrível e me fez refletir muito sobre como temos cuidado de nossos estudantes.

Disputa de poder, conflitos de ego, guerra de narrativas, greves politizadas, mundo binário esquerda/direita, mídia militante e parcial a serviço de interesses escusos… Isso tudo tem reflexo direto na vida de nossas crianças.

O estudo Perda de Aprendizagem na Pandemia, uma parceria entre o Insper e o Instituto Unibanco, estima que, no ensino remoto, os estudantes aprendem, em média, apenas 17% do conteúdo de matemática e 38% do de língua portuguesa, em comparação com o que ocorreria nas aulas presenciais.

Afastando quaisquer tipos de narrativas e/ou viés ideológico desse mundo atual e cruel, finalizo citando Rubem Alves: “São as crianças que, sem falar, nos ensinam as razões para viver. Elas não tem saberes a transmitir. No entanto, elas sabem o essencial da vida”.

José Fernandes é médico (ortopedista e legista) e bacharel em direito. Atualmente vereador em Anápolis pelo PSB. Escreve todas às sextas-feiras. Siga-o no Instagram.

As ideias e opiniões expressas no artigo são de exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, as visões do Portal 6.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade