PublicidadePublicidade

Andressa Urach diz que sofreu por ter que voltar a fazer fotos de biquíni

"Se a Igreja Universal não tivesse me tirado todo o meu patrimônio, com certeza eu não estaria envergonhando Jesus com minhas atitudes. Mas Deus vê tudo, e só o julgamento dele me basta", afirmou a modelo

Folhapress Folhapress -
Andressa Urach é ex miss bumbum (Foto Eduardo Knapp/Folhapress)

Andressa Urach, 33, revelou que a volta ao trabalho como modelo, tendo que fazer fotos sensuais e com pouca roupa, não foi tranquila. A organizadora do Miss Bumbum, que está grávida do segundo filho, afirmou que essa não era sua primeira opção.

“Pecadora eu sou, e claro que eu sofri muito por ter que voltar a trabalhar com a minha imagem e fazer fotos de biquíni, mas preciso pagar as contas”, desabafou nas redes sociais. “Se a Igreja Universal não tivesse me tirado todo o meu patrimônio, com certeza eu não estaria envergonhando Jesus com minhas atitudes. Mas Deus vê tudo, e só o julgamento dele me basta.”

A modelo processa a Igreja Universal com o intuito de reaver os R$ 2 milhões que ela diz ter doado à instituição durante os anos em que participou dos cultos. O F5 teve acesso aos documentos de Andressa enviados pelos advogados da modelo.

Apesar do processo, Andressa mantém sua religiosidade e diz que continua “fiel aos olhos de Deus”. Para ela, porém, determinadas atitudes praticadas pela Igreja Universal não estariam em conformidade com os ditames bíblicos.

“A Andressa Urach, enquanto fiel, acreditou cegamente na palavra da Igreja e doou a ela mais de R$ 2 milhões de diferentes formas e em momentos diferentes, sendo que na medida que seus recursos foram se esgotando, o aconselhamento e o auxílio dado pela Igreja também foram”, diz o documento.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, a modelo disse não temer retaliações por parte da Universal. “Quando é verdade, a gente não tem que ter medo de nada. Eu só quero o que é justo, o que é certo”, afirmou.

A ex-devota já havia um longo desabafo a respeito do assunto nas redes sociais. “Dediquei os últimos 6 anos da minha vida para Jesus, como todos sabem, mas acabei me sentindo como um objeto descartável”, afirmou. “Nunca me senti assim, nem no tempo da prostituição.”

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade