Quem é o ex-vigilante penitenciário suspeito de ter cometido a chacina de Leopoldo de Bulhões

Homem, que fez aniversário há três dias, se entregou na Unidade Prisional de Alexânia

Da Redação -
Thiago Tavares Pimentel se entregou na Unidade Prisional de Alexânia. (Foto: Reprodução)

O homem que se apresentou na Unidade Prisional de Alexânia, na noite de quinta-feira (03), como sendo o suposto autor da chacina de Leopoldo de Bulhões, completou 44 anos há exatos três dias.

Identificado como Thiago Tavares Pimentel, ele é alto, forte e teria tido o nome descoberto pelas autoridades policiais no mesmo dia do crime, através de um carro que foi abandonado na propriedade rural em que três pessoas da mesma família foram executadas.

Também atuou como vigilante penitenciário temporário em cadeias do estado. Ao Portal 6, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) confirmou que o suspeito integrou a instituição entre março de 2019 e março de 2020.

De acordo com o delegado Vander Coelho, titular da Delegacia Regional de Anápolis, desde o momento do crime foi possível levantar dados sobre o homem para solicitar a prisão temporária. Por isso, demorou cerca de apenas 24h para que o mandado fosse devidamente cumprido.

Os próximos passos agora deverão ficar sob responsabilidade dos grupos policiais que investigam assassinatos tanto em Anápolis quanto em Silvânia (que cobre Leopoldo de Bulhões).

O suspeito segue custodiado em Alexânia e as equipes estão o interrogando ainda na tarde desta sexta-feira (04). Somente após essa etapa é que a Polícia Civil deverá confirmar a confissão e a possível motivação para o crime.

Complexo, o caso traz alguns desafios à investigação — como se houve a participação de alguma outra pessoa. Some-se a isso, a dificuldade da única sobrevivente lembrar com clareza tudo o que aconteceu.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.