PublicidadePublicidade

Jovem goiana diagnosticada com doença “da urina preta” ficou com o corpo paralisado

Mãe contou como foram os fortes sintomas até o momento em que a filha foi levada para hospital

Da Redação Da Redação -
(Foto: Reprodução / TV Anhanguera)

Maria da Conceição, mãe de Kelly Silva, que está internada em Goiânia por causa da Síndrome de Haff, popularmente conhecida como “doença da urina preta”, contou em entrevista como foram angustiantes os momentos antes da jovem ser levada para o hospital.

De acordo com a genitora, a moça, de 27 anos, saiu para comer comida japonesa com uma prima, em Goianésia, e começou a se sentir mal poucas horas após a refeição.

O quadro se agravou tão rapidamente que Kelly precisou ser carregada até uma unidade de atendimento médico porque estava com os músculos do corpo paralisados.

PublicidadePublicidade

“Nem a cabeça ela conseguia levantar, era uma fraqueza muito grande. Ela começou com sensação de desmaio e perdendo muita força. Ela foi carregada para o hospital porque não conseguiu ir com as próprias pernas”, relembrou a mãe, ao G1.

O caso aconteceu no último dia 24 de junho e se tornou público no último final de semana. Neste período, a jovem precisou ser transferida para a capital e passa por hemodiálise diariamente porque os rins não estão funcionando bem.

Familiares também revelaram ao G1 que a situação ainda é grave, mas que Kelly está reagindo bem ao tratamento.

Em tempo

O restaurante onde Kelly comeu não teve o nome divulgado, mas a Prefeitura de Goianésia afirma que foi feita uma inspeção no local e não houve a necessidade de fechamento do estabelecimento.

Um ofício também foi enviado à rede de Saúde local para que um alerta seja feito imediatamente às autoridades competentes pelos hospitais caso mais algum morador apresente sintomas da doença.

A Síndrome de Haff é uma infecção rara causada por uma bactéria ligada ao consumo de peixe. Ela causa a destruição das proteínas musculares e provoca sintomas como urina escura, desmaios e dores musculares.

Não há um senso entre especialistas sobre a forma de contaminação. As principais suspeitas é de que pode se desenvolver através de algas que os peixes consomem ou em decorrência de mau acondicionamento dos pescados.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade