“Tempo louco” em Anápolis está com os dias contados e especialista explica o fenômeno

Período de instabilidade traz reflexos na saúde e médica orienta como evitar agravamento de doenças

Rafaella Soares -
Visão aérea do bairro Jundiaí durante o por do Sol. (Foto: Danilo Boaventura)

Seja pelas redes sociais ou pelas ruas de Anápolis, não é difícil encontrar moradores que já não aguentam mais as mudanças repentinas no tempo.

Sair sem casaco ou esquecer a famosa ‘sombrinha’, mesmo em dias que já começam quentes, deixou de ser uma opção, já que muitos podem ser surpreendidos com chuvas em qualquer horário.

Mas toda essa situação tem explicação. De acordo com Eduardo Argolo, climatologista e coordenador da estação meteorológica da UniEVANGÉLICA, esse período nada mais é do que uma transição.

“O outono é uma estação considerada de transição entre o verão quente e úmido e o inverno frio e seco. Logo, esta condição de calor e temperaturas mais baixas tendem a não existir nos proximos dias”, explicou ao Portal 6.

Segundo o especialista, essa é uma característica comum do Centro-Oeste, mas que a tendência é que as mudanças bruscas se dissipem em poucos dias.

“Com a temperatura alta no período de 11h às 16h e com a presença de nuvens, existe a probabilidade de formação de chuvas de forma espassa na região de anapolis. A tendência é que estas formações de chuva diminuam ao longo do mês”, afirmou.

Cuidados

Neste período em que as varições no tempo acontecem com maior frequência, é necessário também se atentar com a saúde, já que o corpo fica mais suscetível a algumas doenças.

“Com o início do inverno e as mudanças climáticas, é mais comum as doenças respiratórias, como gripes, resfriados, rinites, exacerbações da asma e outros. Isso porque esses fatores ambientais podem ser um fator de risco, já que o tempo fica mais frio em alguns lugares e mais secos ou úmidos em outros”, explicou a pediatra goiana Suzanna Matos, que atende atualmente em Maceió.

A médica também lembrou que gripes e resfriados são doenças virais e que podem surgir principalmente porque é mais comum manter proximidade com outras pessoas quando o tempo esfria.

Além de fazer o devido acompanhamento com profissionais de saúde para tratar precocemente enfermidades que podem ser desencadeadas pela mudança no tempo, também há meios de prevenir que elas se agravem.

“Se tratando de doenças virais, o ideal é evitar aglomerações e fazer uso de máscaras. É sempre ideal também procurar atendimento médico, fazer irrigação nasal e se hidratar bem, na vigência de gripes ou resfriados”, explicou a pediatra.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade