PublicidadePublicidade

Empresários de Anápolis estão sendo investigados em desvio milionário no BB

Eles foram alvo da Operação Sangria, que cumpriu 54 mandados judiciais em cidades do Paraná, São Paulo, Goiás e Distrito Federal

Rafaella Soares -

Investigação da Polícia Civil do Paraná quer saber se casal um proprietário de uma empresa de engenharia de Anápolis está envolvido em um mega desvio de R$ 10 milhões no Banco do Brasil. Batizada de “Sangria”, a operação que conduziu coercitivamente os dois cumpre um total de 54 mandados judiciais em cidades do Paraná, São Paulo, Goiás e Distrito Federal.

O homem de 46 anos e a mulher dele, de 38 anos, não tiveram a identidade revelada e foram encaminhados na terça-feira (17) à sede da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Goiânia, onde prestaram depoimento das 9h30 às 14h e foram liberados.

Ao G1, o delegado Kleyton Manoel Dias, disse que não fornecerá informações sobre o que foi dito nos depoimentos porque está apenas dando auxilio às investigações.

PublicidadePublicidade

Um terceiro empresário da cidade também tinha mandato de condução coercitiva, mas não foi encontrado.

Os agentes da DEIC também foram até um escritório, que possivelmente seria a sede da empresa do alvo, mas não havia nada no local.

Em tempo

As investigações começaram no ano passado após denúncias de fraude no Banco do Brasil. Informações preliminares da polícia apontam que o ex-gerente Luiz Eduardo Cardoso de uma agência do Centro de Curitiba já participava do esquema há dois anos.

Luiz trabalhou na unidade por 17 anos e depois das suspeitas do roubo, foi demitido por justa causa. Ele foi preso também na manhã desta terça-feira (17), em casa.

O ex-funcionário junto com o grupo são suspeitos de simular e criar contas com documentos falsos para a liberação de créditos e financiamentos. O dinheiro também era desviado para empresas.

Caso fique os suspeitos sejam condenados, deverão responder por peculato, falsificação de documentos públicos e particulares, expedição de duplicatas simuladas, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.