PublicidadePublicidade

Todo o meu repúdio contra os homens que não respeitam as mulheres

Uma Anápolis estarrecida toma conhecimento da ação de um ginecologista. A pergunta que precisa ecoar em toda a sociedade é: por que ainda existe homem assim? É preciso uma reação em defesa do que todos temos como discurso. É o momento da prática. Repudiar estas ações é apenas uma parte da nossa missão na sociedade. E precisamos deixar isso claro!

Amilton Filho -
(Foto: Reprodução/Pixabay)

Uma Anápolis estarrecida toma conhecimento da ação de um ginecologista acusado de praticar recorrentes abusos sexuais e ameaças contra pacientes. A denúncia de três mulheres, uma delas que guardou este trauma por oito anos, foi o gatilho para a revelação de um verdadeiro escândalo: em 24h, após a publicação da imagem do médico na imprensa, mais de 30 mulheres foram à delegacia. Destas, 27 formalizaram queixa.

Na mesma semana, na cidade de Palmas, no Paraná, um homem em um carro tentou assediar uma ciclista passando a mão nela. Da ação criminosa resultou um atropelamento, quando o carro se chocou com a jovem de 25 anos, derrubando-a ao chão.

A pergunta que precisa ecoar em toda a sociedade é: por que ainda existe homem assim?

Os valores que defendemos, a defesa da família, o cuidado com a criação dos filhos, da orientação e das claras noções de respeito ao próximo parecem estar na berlinda quando vemos que, na prática, ainda concebemos abusadores.

Homens que assumem o risco de trilhar o caminho do desrespeito, da violência ou da opressão pelo cargo que ocupam, pela função que desempenham ou que se aproveitam da situação de vulnerabilidade.

É preciso uma reação em defesa do que todos temos como discurso. É o momento da prática. Repudiar estas ações é apenas uma parte da nossa missão na sociedade. E precisamos deixar isso claro.

Também é fundamental que nós, sobretudo os homens, revejam seus valores e deixem de lado o caminho fácil da piada, das relativizações, das tentativas de contextualizar um crime a fim de abrandá-lo.

Por isso, a primeira coisa a se fazer é se perceber e nos corrigirmos no trato com as mulheres. Não é não, e pronto! Você pai, ensine isso a seu filho. Você professor, lembre sempre isso aos seus alunos. E você mulher, nunca se cale. E sempre contem com o meu apoio, empatia e indignação.

Amilton Filho é advogado e deputado estadual pelo Solidariedade. Escreve às quintas-feiras. Siga-o no Instagram.

As ideias e opiniões expressas no artigo são de exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, as visões do Portal 6.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade