PublicidadePublicidade

Conta de energia virá mais cara não só pela crise hídrica, mas também por falta de planejamento

Márcio Corrêa Márcio Corrêa -
(Foto: Reprodução)

No Brasil, a principal fonte de energia elétrica é a força de nossas águas. Somos dependentes das hidrelétricas para o fornecimento de energia para nossas casas, indústrias, comércio e lazer. A escassez de água, além de impactar no consumo dos brasileiros, também afeta a produção energética do país, o que torna urgente o estabelecimento de soluções.

O país enfrenta hoje a maior crise energética dos últimos 91 anos, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). Diante dessa situação crítica, a ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica, decidiu reajustar em 52% o valor que pagamos pelo consumo de energia nesse momento de crise hídrica. Com isso, a cobrança adicional nas tarifas passa de R$0,624 para R$0,949 a cada 100 kwh consumidos. Com a medida, a agência regulatória busca forçar os brasileiros a reduzirem o consumo de energia elétrica. Assim, a inflação fica ainda mais pressionada pois gera aumento do preço da energia elétrica e limita o crescimento econômico, pois impede, ou dificulta, a produção de bens e serviços.

Num momento recorde de desemprego e endividamento das famílias brasileiras e colapso econômico, o reajuste é mais um peso para o cidadão e para o setor produtivo, somado com aumento da inflação, do gás e da gasolina. Isso é resultado de uma falta de planejamento, monitoramento e investimentos do governo, e sem dúvidas, será o grande entrave para a retomada econômica.

É preciso combater essa crise com urgência, com planejamento energético, ações prioritárias do setor público, soluções integradas, participação da sociedade, órgãos técnicos e ciência. Caso contrário, milhares de brasileiros seguem fazendo milagres para pagarem as contas no final do mês e não ficarem sem esse serviço essencial, a eletricidade.

Márcio Corrêa é empresário e odontólogo. Preside o Diretório Municipal do MDB em AnápolisEscreve todas as segundas-feiras. Siga-o no Instagram.

As ideias e opiniões expressas no artigo são de exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, as opiniões do Portal 6.

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade