EUA querem transformar mar do Sul da China em arena de combate, diz Pequim

Apelo foi feito em uma mensagem gravada pelo chanceler chinês, Wang Yi, e enviada aos dez países-membros da Asean

Folhapress -
EUA querem transformar mar do Sul da China em arena de combate, diz Pequim (Foto: Ilustração/ Flickr)

IGOR GIELOW
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Pequim acusou Washington e outras potências ocidentais de estarem transformando o disputado mar do Sul da China em uma “arena de combate” e “campo de caça”, e pediu para que nações da região ajudem a repelir a interferência estrangeira.

O apelo foi feito em uma mensagem gravada pelo chanceler chinês, Wang Yi, e enviada aos dez países-membros da Asean (sigla inglesa para Associação de Nações do Sudeste Asiático). Ela marcou os 20 anos de assinatura de um tratado entre o clube e Pequim para tentar normalizar as relações na área marítima que a ditadura comunista vê como quintal estratégico.

Wang evitou nominar os EUA, dizendo que “algumas potências externas estão deliberadamente expandindo conflitos e provocando tensões, colocando em risco os direitos legítimos e e interesses dos países costeiros e a ordem normal no mar”.

“A China e a Asean devem ser deixar sua posição clara: se você veio em paz e cooperação, nós o recebemos; se você veio para disrupção e destruição, por favor vá embora”, completou, segundo a mídia chinesa.

As disputas sobre o mar do Sul da China estão no centro da Guerra Fria 2.0 lançada pelos EUA para tentar conter a assertividade chinesa na Ásia-Pacífico, em 2017. Desde então, multiplicaram-se as chamadas operações de liberdade de navegação, segundo as quais navios de guerra ocidentais usam rotas na regiao que Pequim considera suas.

Desde 2014, os chineses militarizaram pequenos atóis e ilhotas no mar, alegando assim posse e consequente direitos a águas territoriais. Dois anos depois, uma queixa das Filipinas foi aceita num tribunal marítimo das Nações Unidas negando tal reivindicação, mas Pequim não reconhece a decisão.

Já à luz da Guerra da Ucrânia, a Otan, a aliança militar ocidental, colocou a China pela primeira vez no centro de suas preocupações ao divulgar seu novo Conceito Estratégico para a próxima década.

Desde 2017, a aliança tem enviado navios para o mar do Sul da China em apoio à posição americana –o Reino Unido é o mais vocal desses aliados, tendo inclusive navegado seu novo porta-aviões por lá no ano passado. No começo deste mês houve o incidente mais recente, com um destróier americano passando perto de ilhas chinesas três vezes numa semana.

Pequim e Washington trocam acusações periódicas acerca do status internacional das águas da região.

Mas o apelo chinês terá dificuldade de ser ouvido por metade dos membros da Asean: Filipinas, Malásia, Brunei, Indonésia e Vietnã têm disputas com os chineses sobre trechos da região, particularmente áreas ricas de pesca e de extração de petróleo.

A importância do mar do Sul da China é enorme para Pequim: cerca de 80% do petróleo e gás que consome passam por rotas marítimas da região, assim como a maior parte de suas importações e exportações. Perder controle sobre ele é arriscar o estrangulamento econômico.

Por isso movimentos como o acordo militar dos EUA com Austrália e Reino Unido, que visa reforçar a posição naval de Camberra com submarinos de propulsão nuclear no flanco sul chinês é denunciado por Pequim como inaceitável, por exemplo.

No outro ponto ultrassensível dos mares da região, o estreito de Taiwan, a tensão segue entre a ilha autonôma e a China continental, que a considera sua e trabalha por uma absorção que pode vir à força.

Nesta segunda, foi iniciada a maior simulação anual de uma invasão chinesa, o exercício militar Han Kuang, que envolve um alto grau de realismo, como uso de munição real no mar. Dezenas de caças F-16V decolaram em interceptações simuladas, uma versão ampliada do que já fazem todas as semanas contra incursões de aviões chineses, que testam crescentemente o estado de alerta das defesas locais.

Na terça (26), a presidente Tsai Ing-wen irá supervisionar a ação ao vivo, a bordo do destróier Keeling, que comanda outros 20 navios na região nordeste da ilha. Os exercícios coincidem com a simulação de ataque aéreo Wan An, também anual. A coisa é levada tão a sério se alguém for pego fora de abrigos enquanto as sirenes estiverem ativas podem pagar multas de até R$ 25 mil.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.