Portal 6

Funerária que deixou viúva na mão agora terá de pagar danos morais e materiais

Juíza entendeu que ficou claro o pouco caso da empresa e determinou o pagamento de R$ 10,5 mil

Juiza da comarca da cidade de Goiás, Francielly Faria Morais da condenou o Grupo Serpos Serviços Póstumos Ltda, de Anápolis, a pagar R$ 10,5 mil por danos morais e materiais à Maria da Silva Marques. Em 2012, o marido dela morreu e a empresa funerária a deixou na mão.

Segundo o TJGO, em fevereiro de 2001, o esposo da Maria firmou contrato de plano funerário com a Serpos e colocou como beneficiários, além dele, a esposa e mais dois filhos maiores de idade.

Após a morte dele, seu genro entrou em contato com a prestadora de serviços. Contudo, a empresa não apresentou informações acerca dos procedimentos a serem adotados, já que empresa e o defunto estavam em cidades distintas.

Com o impasse, a mulher teve de contratar às pressas o serviço de outra funerária e desembolsar o equivalente a R$ 4,5 mil. Se sentindo lesada, a viúva requereu na Justiça a restituição de todas as despesas fúnebres e indenização.

No processo a Serpos pediu para não pagar nenhuma indenização. Afirmou que, quando da contratação do plano funerário, o falecido tinha sido alertado que, em caso de morte de um dos beneficiários, a família deveria aguardar o deslocamento da cidade de Anápolis para o local onde o corpo estivesse.

A funerária de Anápolis disse ainda que, no dia do óbito, a mensalidade estava em atraso, e que apesar desse detalhe foi informado à família que o serviço seria prestado, mas que esperassem o deslocamento. Segundo a Serpos, um veículo chegou a ser deslocado para a estrada rumo à cidade de Goiás.

Decisão

Ao analisar os autos, a juíza Francielly  concordou com a indenização por danos morais e materiais, uma vez que a conduta da empresa causou imensa dor e transtornos à família,  obrigando-a a contratar serviços de outra empresa.

“As testemunhas ouvidas nos autos, sob o crivo do contraditório, foram enfáticas ao relatarem que houve o contato da família com a requerida, porém, essa não apresentou solução, não informando se realizariam a prestação dos serviços . Ainda, as testemunhas arroladas pela defesa não presenciaram o contato telefônico dos familiares com a empresa, informando somente acerca da chegada do funcionário ao hospital”, explicou a magistrada.

“Verifico que a parte autora colacionou aos autos documentos comprobatório dos gastos suportados com as despesas do funeral, diante da não prestação do serviço pela requerida”, emendou.

Quer comentar?

Comentários

Nosso Facebook

Nosso Twitter