PublicidadePublicidade

GIH conclui inquérito após descobrir que Isabella Freire matou bebê antes de atear fogo em lote

Polícia Civil também apresentou imagens de onde ela deixou o corpo do recém nascido antes de cometer o último crime

Rafaella Soares Rafaella Soares -
Isabella Freira, em foto retirada após prisão. (Foto: Portal 6)

O Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) da Polícia Civil concluiu na manhã desta segunda-feira (24) o inquérito policial que investigava a morte do recém-nascido encontrado carbonizado no último dia 12, no Residencial Cerejeiras, na região Leste de Anápolis.

De acordo com o órgão, o garotinho morreu por asfixia devido a mãe, Isabella Freire, de 24 anos, tê-lo enrolado em um cobertor e colocado em uma caixa de papelão, para, por último, abandonar o corpo e atear fogo em um lote baldio que pertencia ao irmão, que mora no exterior.

O GIH também divulgou imagens que mostram o quarto em que o bebê foi deixado por cerca de dois dias, sem nenhuma alimentação, antes da estudante matá-lo e se desfazer do corpo.

PublicidadePublicidade

Além da ocultação de cadáver, Isabella foi indiciada por homicídio duplamente qualificado. Ela foi enquadrada no crime por causa da asfixia e pela impossibilidade de defesa da vítima.

O infanticídio foi descartado porque a jovem não estava sob influência de estado puerperal e já teria tentado matar o bebê outras duas vezes, durante a gestação, através de remédios abortivos.

Isabella está presa preventivamente em um presídio de Aparecida de Goiânia à disposição da Justiça. Ela precisou ser levada para o outro município porque o Centro de Inserção Monsenhor Luiz Ilc, a cadeia pública de Anápolis, não está recebendo mulheres.

Tudo sobre o que já se sabe sobre o caso Isabella Freire

PublicidadePublicidade

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.

PublicidadePublicidade