O dilema do casal de irmãos que luta na Justiça há mais de 20 anos para se casar

Eles, que se conheceram somente quando o homem já era adulto, hoje têm quatro filhos

Gabriella Licia -
Irmãos biológicos se conheceram depois de adultos. (Foto: Reprodução)

Viralizou nas redes sociais o caso de um homem alemão, de 44 anos, que se casou com a irmã biológica e teve quatro filhos com ela. Agora, o casal sonha em legalizar a união.

Patrick Stübing e Susan Karolewski se conheceram somente quando ele tinha 23 anos. É que o homem havia sido adotado quando era criança e perdeu totalmente o contato com a antiga família.

Ao Daily Mail, Susan explicou que “a confiança se transformou em um tipo diferente de amor quando nossa mãe morreu seis meses depois” e, diante disso, se aproximaram cada vez mais.

Em 2001, tiveram o primeiro filho e depois disso, seguiram juntos, gerando mais três crianças. Destas, duas nasceram com deficiências físicas.

A grande questão é que a prática de incesto é condenada na Alemanha – onde a família vive – e, agora, eles lutam na Justiça para que tenham a união bem aceita.

“Nem sabia que estávamos fazendo algo errado”, contou Patrick, que alega se sentir injustiçado por conta da vivência de um amor puro.

“Nossa mãe não teria aprovado, mas os únicos que devem nos julgar agora somos nós”, acrescentou.

Inclusive, a dupla recorreu ao Tribunal de Direitos Humanos, em 2012, para solicitar a discriminalização e iniciou protestos após a rejeição das autoridades.

Um professor geneticista alemão, chamado Juergen Kunze, explicou recentemente o grande pilar para a criminalização da prática.

“Precisamos dessa lei contra o incesto na Alemanha e em toda a Europa. É baseado em longas tradições nas sociedades ocidentais, e a lei está aqui por um bom motivo”, explicou.

“Pesquisas médicas mostraram que há um risco maior de anormalidades genéticas quando parentes próximos têm um filho juntos. Quando irmãos têm filhos, há 50% de chance de que a criança nasça com deficiência”, concluiu.

Você tem WhatsApp ou Telegram? É só entrar em um dos grupos do Portal 6 para receber, em primeira mão, nossas principais notícias e reportagens. Basta clicar aqui e escolher.